terça-feira, 23 de maio de 2017

Um fim de semana em Denver

Quando soube que ia voltar ao Colorado decidi logo que ia ficar um fim de semana por minha conta para ver mais qualquer coisa. Foi assim que surgiu a ideia de ficar em Denver por 2 dias, porque achei que devia conhecer a capital do estado que já me acolheu 2 vezes e porque era uma boa paragem antes de me fazer à estrada (ou neste caso ao ar...) e atravessar o Atlântico.
Denver é conhecida como a mile-high city devido à sua altitude.  É uma cidade bastante compacta e o centro faz-se bem a pé. Se pesquisarem na internet vêem logo como falam imenso da '16th Street Mall' e das compras mas não esperem graaaaandes loucuras (eu pelo menos não perdi a cabeça com nada e até tinha uma lista de coisas para 'comprar nos Estados Unidos'). Denver tem ainda uma grande (e digo mesmo grande) comunidade sem-abrigo (para além de toda a legislação de drogas e afins) e achei que a partir de uma certa e dependendo dos sítios é um bocado estranho andar na rua. É por isso que todas as minhas fotografias da cidade foram tiradas com o telemóvel e não com a câmara, o que para mim it's a first.
Não fiz uma visita exaustiva da cidade. Primeiro porque queria uma visita em ritmo 'sossegado' e depois porque apesar de tudo o que se encontra na net e nos guias não achei que houvesse muito para ver em Denver. Sim, tem restaurantes fixes, uns museus que me pareceram interessantes (que não pude visitar por causa do horário) mas não existe propriamente aquela lista de 10 ou 15 coisas que precisam de ser visitadas. Assim que passei os museus (oops) e preferi andar a pé e conhecer as ruas do centro.
A minha zona preferida chama-se Larimer Square e na verdade não é uma square mas um quarteirão. Tem casas baixas e mais antigas, a contrastar com os arranha-céus mesmo ao lado, imensas lojas design, pop-up e todas essas coisas hipster, os restaurantes da moda, os bares fixes para sair à noite, enfim, fica tudo ali. Não sei se é sempre assim ou se era um fim de semana especial mas havia bandeiras do estado do Colorado a enfeitar as ruas o que lhe dava um ar ainda mais festivo.
O resto da cidade tem muito esse contraste: moderno e antigo, arranha céus e edifícios de 2 ou 3 andares, grafitti e candeeiros trabalhados... Pessoalmente, achei que resultava muito bem!
A '16th Street Mall' tem um autocarro grátis que a percorre nos 2 sentidos mas...a sério... um autocarro (grátis!) só para percorrer 1 milha?
Sempre que vou a uma cidade nova gosto de espreitar as livrarias mais giras e originais, por isso uma visita à Tattered Cover era obrigatória! Claro que quem vem de Oxford (cof cof) não fica muito impressionado mas a livraria é um óptimo sítio para comprar livros novos e antigos (lá está, assume a mistura da cidade!), tomar um café ou perdermo-nos na secção de viagem (que é enorme!).
A Union Station é uma estação de comboios e talvez a estação mais 'clean' que vi nos últimos tempos, sem dúvida que vale a pena espreitar.
Gostei ainda de a ver de noite, a iluminação ficou super original!
O centro de convenções de Denver tem um urso azul gigante que atrai tudo quanto é visitante na cidade. O nome oficial da peça de arte é "I see what you mean", o que é original, realmente, mas pronto, continua a ser (só) um urso azul ahah.
O Capitólio fica junto ao Civic Centre Park mas impossível as visitas só são possíveis durante os dias da semana pelo que só o pude ver de fora. Uma curiosidade: o Capitólio (ou mais concretamente o seu 13º degrau) fica a 1 milha de altura a partir do nível do mar.
O ponto alto (e Americano!) do fim de semana foi o jogo de baseball. Tivemos sorte com o timing da nossa visita porque era o fim de semana de abertura dos jogos e havia imensa festa na rua. O baseball é um jogo familiar e é muito comum ver famílias inteiras vestidas a rigor no estádio. Os bilhetes foram comprados no próprio dia e custaram cerca de 35 dólares mas há várias opções para várias carteiras. Nem eu nem a minha colega sabíamos propriamente as regras mas isso não nos impediu de gostar imenso da experiência. 
De um modo geral acho que o desporto americano liga muito mais ao 'ambiente' e a toda a atmosfera em torno do jogo do propriamente ao jogo em si. Nas pausas do jogo havia sempre raspadinhas, kiss cam, concursos de tudo e mais alguma, música, cachorros quentes, um mundo de coisas a acontecer em paralelo! Impressionante! 
(apesar de ser um jogo familiar era a única mulher na fila dos bilhetes, ahah)
Tivemos imensa sorte com o tempo e com a hora do jogo já que o entardecer a partir do estádio é simplesmente fantástico. Se quiserem uma vista especial então escolham os bilhetes que ficam de frente para o painel dos resultados: as montanhas estão mesmo por trás e num dia limpo como aquele é brutal!

E pronto, acabou a "série Colorado": vêm aí os posts da viagem à Escócia!

domingo, 14 de maio de 2017

Colorado - Manitou Springs e Pikes Peak (post gigante!)

Manitou Springs é uma vila perdida no Colorado e que (não me perguntem porquê) me pareceu bem ao jeito de um 'cenário' de um filme. Não há propriamente um circuito turístico que se possa recomendar já que a vila é bastante pequena e o bom é mesmo poder andar sem rumo e entrar em todas as lojinhas (como a espectacular loja de enfeites de Natal onde fiquei horrores de tempo só para conseguir escolher um enfeite para a minha árvore!)
Para além da vila em si, Manitou Springs é ainda a "porta de entrada" para o Pikes Peak, uma montanha de 4000m e que fica no coração de Manitou. Claro que não escalámos os 4000m metros mas tirámos uma manhã para dar uma volta num dos trilhos da montanha - não só apanhámos um dia espectacular (quando uns dias antes tinha nevado como eu nunca tinha visto!) como a vista é incrível. Reuni umas 500mil fotos para vos convencer a fazer esta paragem se algum dia passarem pelo Colorado (recomendadíssimo)!
Antes disso, só algumas notas para a logística da viagem:
- O carro é essencial para se deslocarem no Colorado. Denver em si tem transportes e é verdade que há autocarros entre (algumas) cidades mas não me parecem opções viáveis se quiserem decidir o vosso horário (e não me parece que Manitou tenha sequer direito a aparecer nessas rotas). Importante também salientar que a maior parte dos carros tem mudanças automáticas (e um dos meus colegas americanos disse-me que isso era até o 'normal' nos Estados Unidos).
- A altitude sente-se bastante a partir do momento em que se aterra em Denver, há sempre imensos avisos para beber água e manter a hidratação ao longo do dia - e juro que faz a diferença (palavra de quem bebe muito menos água do que devia, independentemente da altitude). Foram 10 dias de constante garganta seca e nariz seco!
- O tempo é imprevisível no Colorado, pode estar um sol radioso num dia e no dia seguinte haver uma tempestade de neve. Aliás, pouco depois de eu ter chegado disseram-me que ia nevar imenso e eu desvalorizei... pois bem, ei-la, uma Winter Wonderland!
Nem 3 dias depois e tivemos dias lindos de sol e 23 graus... Por isso vão preparados para tudo (and I mean it!).
Agora, a reportagem fotográfica que prometi mais acima (não é tal e qual a América profunda dos filmes?).

Pikes Peak pode ser 'escalado' de comboio que vos leva até ao cimo da montanha e regressa passámos 20 minutos (mas a viagem em si demora muito mais, obviamente). Era a nossa ideia inicial e foi por isso que levámos todos os nossos casacos (está sempre imenso vento e frio) mas infelizmente não havia mais bilhetes para esse dia. Assim que fica a dica: marquem com antecedência!

Esta é a 'estação'

Sem outra alternativa, tivemos que ir a pé. Há um caminho mais difícil, que é esta subida que mostro na próxima fotografia e outro trilho mais soft (que foi o que escolhemos), não fomos propriamente muito alto mas chegámos a um ponto de onde se via perfeitamente o Garden of the Gods (já aqui mostrei no blog, na viagem do ano passado) mas infelizmente a minha lente não me permitiu mostrar grande coisa...
(com muita imaginação conseguem vem o Garden of Gods ali no meio da imagem)
Et voilà, até para o ano, Colorado!