sábado, 5 de março de 2016

Emigrante anti-social

Como aos Domingos está tudo fechado neste país, é aos Sábados que tenho de ir ao supermercado e tratar de todas as mil umas coisas que preciso de fazer no fim de semana e que envolvem socializar com outras pessoas. Mas a barreira da língua faz-me querer reduzir ao máximo a dita "socialização" e dou por mim a escolher a senhora da caixa que menos fala com os clientes (juro...). Se estou numa fila e percebo que a senhora é faladora, começo logo a ficar com suores frios (ok, nem tanto, mas percebem a ideia) e rezo para que a conversa nunca saia do "tem cartão?", "quer os pontos?", "quer o talão?" ou "tem 20 cêntimos?". Há qualquer coisa em mim que me bloqueia o (pouco) alemão que tenho enquanto estou nas filas dos supermercados ou quando me pedem direcções (que eu até sei explicar!). O engraçado é que descobri que aqui nesta zona também se diz "não" a soar a "nei", tal e qual como na Holanda - não fiz assim tão má figura quando me mudei!

7 comentários:

  1. É sempre complicado a adaptação a um país com uma língua que não conhecemos. Estou a passar pelo mesmo aqui em Espanha, pois apesar do que espanhol ser parecido com o português, o ser parecido não chega!... Beijinhos e boa sorte.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É mesmo complicado, a integração acaba por ser mais lenta. Boa sorte por essas lados :) Beijinho

      Eliminar
  2. E os vizinhos alemães ao menos convidam-te para ires à casa deles tomar um cafezinho que seja? Na minha zona, aqui na Holanda, não é muito habitual, mesmo entre eles (holandeses). Não sei se no sul ou mais a norte será diferente... Nunca percebi muito bem as queixas dos autóctones em relação à aprendizagem da língua por parte dos estrangeiros, se eles também não criam oportunidades para convivermos mais com eles. Só um curso de alguns meses, não chega. É preciso que os naturais também se mexam um bocadinho. Eu não entro na casa de ninguém sem ser convidada.
    Os meus vizinhos até são muito simpáticos comigo e prestativos quando preciso de alguma coisa, mas não há aquele hábito de irmos vez em quando à casa uns dos outros ( mesmo entre eles, holandeses). Até conversamos um bocadinho quando nos vemos na rua ( sobre férias, obras em casa, algum problema), mas não há aquele hábito de dizer "Entra. Tomamos um café e conversamos melhor." É isso e atenderem as pessoas à porta de casa. Eu peço sempre que entrem, pelo menos, não estão ao frio enquanto vou buscar a encomenda que os Correios cá deixaram para eles.
    Quanto ao teu post, no final de um dia de trabalho ou no fds, também é natural que estejas cansada e não te apeteça fazer um esforço ( no sentido, em que estás com pouca energia) para comunicares noutra língua (custa um bocado quando o cérebro anda à procura das palavras e ainda tem de colocá-las na ordem correcta).

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não, não me parece que haja esse hábito por aqui. Estamos muito perto da Holanda, há muitos hábitos que são semelhantes, como o andar de bicicleta e até expressões semelhantes (como o "não").
      O único sítio onde me senti verdadeiramente acolhida pelos vizinhos foi em Inglaterra. Por lá é comum dar as boas-vindas a vizinhos que chegam ao bairro ou convidar para um chá (especialmente no "campo"). E há muito mais sentido de comunidade, com encontros de leitura, de costura, de cozinha, corridas, etc. Aqui não vejo tanto isso, ou pelo menos ainda não os encontrei ;)

      Eliminar
  3. Ai que espectáculo! Queres ver que ainda vou para Inglaterra...;-)) Que simpáticos! Convidarem para um chá e darem as boas vindas, muito queridos! E os clubes, excelente ideia. Aqui no bairro só conheço a buurtpreventie (andam em grupo pelas ruas do bairro a fazer rondas).

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Imagino que em grandes cidades não seja tanto, mas nas cidades mais pequenas é comum. A biblioteca no meu bairro antigo (antes de me mudar para aqui) tinha vendas de bolos, dias de knitting e encontros de leitura, era só aparecer e conhecer os vizinhos ;)
      E os meus vizinhos deixaram-me sempre uma carta a apresentarem-se e depois tocaram à porta para me conhecerem e darem as boas-vindas. Há muito o espírito de comunidade, ou então tive sorte ;)

      Eliminar
  4. Muito bom tudo o que contas. ;-) É logo outra coisa.

    ResponderEliminar