sexta-feira, 29 de janeiro de 2016

Jantar de comida síria

À primeira vista, Bremen não tem muitos sítios onde ir, mas a verdade é que não me tenho dedicado a descobrir a cidade. Para além do centro medieval, há também uma zona mais boémia e alternativa, assim como restaurantes de comida mais exótica espalhados por vários pontos da cidade. Foi numa destas minhas incursões que acabei por jantar num restaurante de comida síria, recomendado pelo amigo de um amigo, como todos os sítios que vou descobrindo por aqui.
A decoração e o ambiente estão muito bem conseguidos, a comida é óptima e os senhores são super simpáticos, apesar do fraco inglês (mas óptimo alemão!). Só o serviço é que demora imenso tempo, pelo menos nós esperámos bastante entre as entradas e o prato principal. As fotos estão um bocado escuras porque nunca me sinto muito à vontade para desatar a fotografar tudo quando vou num grupo, mas espero que dêem uma ideia do espaço e da comida que servem.







O sistema de entradas é peculiar: há pratos que incluem entrada e outros em que a entrada é pedida à parte. Em ambos os casos, contudo, as entradas que vem para a mesa são aleatórias e acabamos por ter um mix de tudo e mais alguma coisa. Para 6 pessoas vieram todos estes pratos, mais o pão (óptimo!). A agilidade com que o senhor os coloca (e retira) é espectacular!


Para as almas que por acaso vierem parar a este cantinho da Alemanha (e saírem da zona mais turística), fica aqui o nome e a localização: Palmyra, Langemarckstraße 230, 28199 Bremen.

Recomendadíssimo!

segunda-feira, 25 de janeiro de 2016

O outro lado do recrutamento

Fiz as minhas primeiras entrevistas de emprego do outro lado da mesa e, apesar de ter tido o seu quê de aterrador (visto que comecei logo por conduzir a primeira entrevista), foi uma experiência super esclarecedora para quando voltar a trocar de lados. Ficam aqui as principais lições que tirei destes dias.

Percebi que o factor humano tem muito mais impacto do que eu pensava. O facto de se conseguir conversar com a outra pessoa (e ela efectivamente ouvir o que estamos a dizer!), de ela parecer alguém com quem se pode trabalhar (por oposição a desejar que ela se cale para todo o sempre - sim, aconteceu) é realmente importante!

Dei-me conta de que as pessoas não respondem às perguntas que lhes são colocadas mas ao que acham que o entrevistador está à procura. E eu juro que às vezes era mesmo simples, não quero ouvir o que vocês acham que eu quero ouvir, quero só saber a resposta àquilo que eu perguntei, mais nada. 

Há pessoas que falam demais (não quero, nem preciso de saber a história desde o início) e isso deu sempre asneira - rambling, anyone? - vão directos à resposta, por favor.

Relacionado com o tópico acima, mantenho a minha máxima: não sabe, não inventa. Prefiro que me digam "não sei" do que se ponham a inventar (não se aplica no caso de perguntas que não têm propriamente uma resposta certa ou errada).

Confiança é bom, mas com moderação (fiz logo uma cruzinha no tipo mais pintas que lá apareceu). Isto está muito relacionado com o tal factor humano que descrevi acima. E ser uma pessoa decente faz parte do pack, pelo menos para mim.


Não faço isto todos os dias nem nada que se pareça, mas achei um exercício interessantíssimo, este de me pôr no outro lado da barricada. Por acaso gostava de ouvir opiniões de gente não-rookie nestas andanças, naquela de saber se alguma destas observações se mantém pela vida fora ou vai perdendo o impacto... Tenho que voltar a este post daqui a uns anos, está visto.

sábado, 23 de janeiro de 2016

Como passar uma tarde de sábado

Decidi que vou tirar uns dias em Junho e, a não ser que venha a ter uma agenda estrambólica durante esse mês (isto nunca se sabe...) vou fazer uma viagem. Depois de uma tarde de análise acho que reduzi as minhas hipóteses a dois destinos "combo":

NYC + Filadélfia + Washington DC





Moscovo + São Petersburgo





O Este e o Oeste voltam a confrontar-se.

sexta-feira, 22 de janeiro de 2016

(Still) Frozen

Voltei a Bremen e ao escritório depois de 7 dias fora de casa, com direito a 6 comboios e 2 voos em 2 países diferentes (e uma escala técnica em casa para mudar de mala!). Estou desde as 9 da manhã a desejar que seja fim de semana para poder finalmente calçar as minhas pantufas e hibernar durante 2 dias inteirinhos, que é a minha ideia de um fim de semana bem aproveitado. Estou a ver que por cá continua tudo na mesma e as temperaturas negativas estão para ficar em Janeiro. A neve não está tão alta como no início do mês mas noto tudo muito mais gelado (e muito mais fotogénico, verdade seja dita!).



São Pedro, se é para trocares o gelo pela chuva, como ouvi por aí, então deixa estar, ok? Pelo menos já estamos habituados (e até os aviões andam a horas!).

quinta-feira, 14 de janeiro de 2016

Always.


O mundo perdeu um actor enorme. E eu senti que perdi o Snape pela segunda vez.

quarta-feira, 13 de janeiro de 2016

Finalmente!

Depois de mudar de opinião (e de reservas no Booking!) 530 mil vezes, tenho finalmente viagem para o fim de semana prolongado da Páscoa!


Uma vez que a importância do feriado da Páscoa me deu muitas dores de cabeça na hora de escolher um destino que não fechasse tudo e mais alguma coisa na sexta, domingo e segunda (como aqui na Alemanha), decidimo-nos por Riga. Há muito tempo que quero conhecer as capitais do Báltico mas por agora não tenho tempo para as explorar todas de uma vez e há que começar por algum lado (neste caso, por aquela que deverá ter mais coisas abertas). Vamos lá ver se a Primavera chega mesmo a 21 de Março por aqueles lados (mesmo que isso signifique apenas e só não nevar/chover, ahah).

segunda-feira, 11 de janeiro de 2016

Para mim, será sempre a homenagem mais bonita

Feita ainda durante a vida de Bowie, com a mesma melodia e uma letra alterada. E do único sítio possível.




domingo, 10 de janeiro de 2016

Teria cedido o meu dedo mindinho

Este foi o final da festa dos 30 anos do Les Mis (começa ao minuto 10:20). O cast actual para mim é perfeito e vê-los com os originais deve ter sido uma experiência única. E o coro? Lindo. Sim, eu sou uma maluquinha dos musicais e deste em particular.


sábado, 9 de janeiro de 2016

Frozen

Os -16 graus deram descanso e a sensação térmica passou para os 0, o que quase sabe a Primavera (até dá para tirar as luvas!). Ontem e hoje a neve começou a derreter mas os rios mantêm-se gelados, coisa que já não via desde o meu primeiro ano na Holanda e por isso mereceu uma fotografia.


sexta-feira, 8 de janeiro de 2016

Morar num país rico

É ver que as opções de quantias a levantar no multibanco começam nos 100 euros. Só não tirei foto por vergonha, que nunca apanhei o banco sem ninguém.

quinta-feira, 7 de janeiro de 2016

Up in the air!


Ano novo, viagens novas. Infelizmente, para já são todas em trabalho e em sítios onde já estive como Birmingham, Londres, Frankfurt, Oxford e talvez Munique. E tudo num só mês, claro, que os deuses dos eventos marcam tudo para a mesma altura. Enquanto não me mandam para sítios fixes (sei lá, tipo Maldivas, não?) fico contente quando tenho conference calls e posso beber o meu chá em pijama, que ninguém vê (notem que por isso é que não são videoconferências, não é só para o estilo do post).

quarta-feira, 6 de janeiro de 2016

A neve

A neve só tem piada para os miúdos, os turistas ou aqueles que, não sendo turistas, estão de férias. É o meu 4º ano de emigrante e o 4º inverno com neve e a confusão que ela gera, como se todos os sítios  por onde fui passando tivessem um clima tropical (not) e ficassem verdadeiramente surpreendidos com o habitual manto branco. Está um real feel de -11 graus, a neve chega-me acima dos tornozelos, o que dá uma paisagem linda quando se olha para os sítios que ninguém pisa mas oferece um espectáculo deplorável no meio das ruas e dos carris dos trams porque se formam rios de lama. Como custa bastante tirar as luvas para tirar fotografias tenho um fraco registo fotográfico do fenómeno, para além de que o meu breve percurso a pé todas as manhãs (quando há luz) não oferece grandes paisagens... Assim sendo, fiquem com as fotografias do parque industrial e do belo rio de lama que ilustra o meu ódio de estimação por este fenómeno meteorológico!



Amanhã vou tentar tirar umas fotografias melhores para passar a ideia romântica da neve, não quero destruir os sonhos a ninguém que me leia ahah.

segunda-feira, 4 de janeiro de 2016

Até breve, Lisboa

Vamos voltar à labuta por terras estrangeiras onde me esperam temperaturas de -6 graus (e real feel de -16!). Se eu não voltar a escrever em breve é porque virei cubo de gelo.

Comer fora em Lisboa #3

Fãs de macarons e éclairs, eis o sítio perfeito para o vosso vício: 


A L'éclair fica na Avenida Duque D'Ávila e tem todos os sabores e mais alguns. Eu que nem faço questão de acumular calorias com este tipo de doces, gosto bastante de alguns bolos que eles vendem.
Este Natal experimentei pela primeira a Galette des Rois (que nem sequer sabia que existia, confesso), e num dia ficou logo reduzido a metade (em minha defesa, aquilo é folhado e nem se nota que se está a comer enquanto se bebe uma chávena de chá... obviamente que não é só gula...cof cof):


Fica a sugestão para o cafezinho num sítio diferente da pastelaria habitual!