sexta-feira, 2 de outubro de 2015

Queremos mesmo que tenha sido em vão?

Vivo actualmente entre países e entre moradas e por causa disso não vou poder ir votar no próximo Domingo. Desde que percebi que não o poderia fazer que estou não só triste como sinto um enorme peso na consciência por estar a faltar a uma promessa que vive na minha família há mais de 40 anos. Não percebo quem prefere ir à praia ou ao centro comercial (quanto tempo é que que "perdem", afinal?), nem percebo os amigos que tenho a viver fora e que conscientemente se demitiram do seu país. Talvez soe exagerado, mas a abstenção dói-me de uma forma muito pessoal. Na minha família enfrentou-se a prisão, apoiou-se clandestinamente o General Humberto Delgado e recebia-se o Zeca Afonso em jantares lá de casa. Talvez seja exagerado da minha parte, mas cada pessoa que me diz que não se importa com a política e as eleições é como se dissesse que foi tudo em vão, que os meus avós e bisavós podiam ter ficado sossegados, porque afinal sempre viveram bem e essa coisa da liberdade não é assim tão importante. E como eles, tantos outros. Queremos mesmo que tenha sido em vão?

10 comentários:

  1. Bom texto, Agnes. A velhinha frase "Votar é um dever cívico" faz todo o sentido. Para que não tenha sido em vão... Não vejo nenhum exagero da tua parte, só responsabilidade e cidadania.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Fico mesmo chateada quando me dizem que votar não serve para nada.

      Eliminar
  2. Tenho tanta inveja das pessoas que têm histórias de família como as que referiste. Deve ser um orgulho imenso ver que o nosso sangue fez, de alguma forma, parte de uma história dura, mas bonita: a da luta pela liberdade.

    Ah, e concordo contigo: Domingo é para ir votar. Não sei se ouviste aquela história de terem sido marcados jogos de futebol dos grandes clubes precisamente para esses dias. Os tipos que organizam as eleições estavam piursos. Ainda que não seja proibido, é de bom tom não arranjar mais maneiras de o pessoal que não valoriza a sorte que tem esquivar-se ao voto. Vamos ver no que isto dará.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Houve muito mais gente que fez muito muito mais pela liberdade, mas tenho orgulho que de alguma forma tenham dado luta, sobretudo quando podiam ter escolhido não o fazer.
      Não ouvi, não. Eu percebo a frustração mas ao mesmo tempo... as urnas estão abertas todo o dia, não há uns 10 minutos para ir pôr uma cruz no boletim? Custa-me ver como tudo serve de desculpa para não ir votar, se não fossem os jogos era a praia, ou a chuva, ou sol. As pessoas estão desiludidas e custa-me que não percebam como exercer o direito de voto é o momento em que somos todos iguais, não sei como alguém pode abrir mão disso!

      Eliminar
    2. Eu acho que o mundo não pode parar por causa das eleições e as pessoas é que têm de ser conscientes e estabelecer prioridades. Até o tipo de Bragança tem tempo de ir votar antes de sair e mesmo assim chegar a tempo a Lisboa para ver o Benfica jogar. A bola é só uma desculpa como outra qualquer. Ou seja, não é desculpa!

      Eliminar
    3. Exacto, já não se aguenta a quantidade de reportagens acerca do futebol e do tempo e isto e aquilo. Em Inglaterra vota-se durante a semana (e na Holanda também, acho), não há dramas.

      Eliminar
    4. Aqui essa estratégia era capaz de resultar, se votar desse uma desculpazinha para faltar 1h ao trabalho, seguro que a abstenção diminuía.

      Eliminar
  3. Faço minhas as tuas palavras, tirando o facto de que a minha família não teve o prazer de privar com as pessoas referidas, e felizmente também nunca foram parar à prisão. Mas apesar da distância à capital, esse sempre foi um tema importante e os meus pais fizeram questão de me transmitir as mesmas ideias. Não consigo conceber motivo nenhum para ficar em casa e não votar. A única vez em que abstive 'à força', foi quando estive em Bratislava a viver um mês e calhou mesmo em cima das últimas Autárquicas, até um email mandei para a CNE a contestar a situação, ainda hoje estou à espera da resposta! Fiquei revoltadíssima. Enfim, reforço o apelo: Por favor, votem!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu também não percebo até porque as urnas estão abertas todo o dia, não arranjam 5 minutos para ir votar? Eu estou mesmo triste por não poder ir votar desta vez, mas não falho as presidenciais!

      Eliminar