domingo, 25 de outubro de 2015

O últimos momentos de turismo em Jerusalém

O Mount Zion (ou Monte Sião, em português - embora eu seja preguiçosa e mantenha os nomes que estão no meu guia inglês) fica mesmo a seguir à Zion Gate, do lado de fora das muralhas. É aqui que está o túmulo de David, a sala da Última Ceia (Cenacle), a Dormition Abbey (que estava fechada) e um pequeno museu sobre o Holocausto.
Aqui ficam as fotografias possíveis de publicar, já que são aquelas que não têm a nossa cara (e ninguém merece, ahah).

A chegada ao Mount Zion, com a Abadia, ao fundo

A estátua do Rei David

A entrada para o miradouro

A abadia vista do miradouro

O Monte das Oliveiras visto do miradouro




A sala da Última Ceia, que foi construída no mesmo local onde se acredita que Jesus e os discípulos fizeram... a Última Ceia, pois claro

Do outro lado da rua, a seguir a todas os pontos de interesse no Mount Zion, está um cemitério. Pode parecer um sítio um bocado estranho para visitar (e este cemitério em particular é bastante desolador!) mas eu fazia questão de ir "ver" Oskar Schindler que pediu para ser sepultado em Jerusalém. Não é fácil de encontrar, nem o cemitério em si nem a campa mas contámos com a ajuda de um senhor a quem perguntámos o caminho e que fez questão de nos acompanhar até à entrada do cemitério e esperar por nós até sairmos "porque isto não é uma boa zona, sabe?". Um amor. No final disse-nos "desculpem, o meu último nome é Cohen (*) e não posso entrar no cemitério, encontraram a campa que procuravam?". Encontrámos, mas só porque o amigo dele que ia a passar de carro (what are the odds?) nos explicou o caminho senão é quase como procurar uma agulha num palheiro. Para quem quiser fazer o mesmo trajecto, fica aqui a explicação: o cemitério fica numa colina e Schindler está na zona mais baixa, o mais longe possível do portão. Têm de seguir em frente até encontrar umas escadas em caracol, descer e continuar em frente. Depois é fácil: fica do lado direito e reconhece-se por causa da quantidade de pedras que tem em cima. As pedras são trazidas por pessoas de todo o mundo que as colocam ali em jeito de homenagem, isto porque os judeus não levam flores mas sim pedras para os cemitérios. Pessoalmente, foi um momento emocionante (mas reconheço que pode haver quem ache estranho), embora tenha pena que Schindler esteja num sítio tão desolador e até cheio de lixo!


O cemitério (que é cristão) fica numa encosta e tem vista privilegiada para o Monte das Oliveiras, o cemitério judeu


Para terminar este post, queria só falar do Mamilla Rooftop, o restaurante/bar no último piso do hotel e que é provavelmente o restaurante com melhor vista em Jerusalém. Não é barato, mas compensa a visita, não só pela vista mas também pela comida e pelo vinho, tudo com produtos israelitas. A reserva é aconselhável, especialmente ao fim de semana.


Uma última nota para dizer que o menu à Sexta feira à noite é diferente dos outros dias porque é o início do Shabbat. Não o experimentei porque nesse dia o rooftop estava reservado para um evento privado mas tenho esperança que seja melhor do que o que acabei por jantar (pão com queijo, ahah), isto porque segundo a tradição judaica não se deve trabalhar ou cozinhar no Shabbat, o que significa que não há café (a não ser aquele que já está pronto num termo), nem latte, nem sequer sumo de laranja e muito menos pratos quentes! Agora acho curioso mas na altura tinha apreciado um jantar melhorzinho...


(*) Devia ter incluído uma explicação melhor acerca desta frase que dita só assim não faz muito sentido, realmente. De acordo com a minha pesquisa, não existem nenhumas restrições que impeçam judeus de visitar cemitérios não judeus mas segundo vi num artigo na Wikipedia, os kohen (padres judeus) não devem estar em contacto com mortos e por isso não podem entrar num cemitério. Imagino que tenha sido isto que o senhor quis dizer, embora seja apenas uma interpretação minha... Fica aqui o link do artigo, para quem achar interessante.

12 comentários:

  1. Bonitas fotografias, Agnes!
    Fizeste bem em ter ido visitar o túmulo de Schindler e obrigada por partilhares como se chega até lá. Post a guardar, o teu, um dia que vá até lá. Merci.
    A vista do restaurante é linda!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Acho que vou editar para explicar melhor, que primeiro é seguir em frente e as escadas estão já quase no fim ;) Para mim valeu a visita mas é uma coisa muito pessoal, parece-me.
      O rooftop é maravilhoso! E pode-se ver a vista sem comer no restaurante, existe uma varanda a toda a volta e o acesso é livre.

      Eliminar
    2. Fico contente que tenhas gostado dos posts :) Espero que venham a ser úteis! Beijinhos*

      Eliminar
    3. Uma varanda a toda a volta? Fantástico! Gosto muito de panorâmicas. E acesso livre, ainda por cima. Quando lá for, não posso falhar esta. Beijinhos.

      Eliminar
    4. Uma varanda a toda a volta? Fantástico! Gosto muito de panorâmicas. E acesso livre, ainda por cima. Quando lá for, não posso falhar esta. Beijinhos.

      Eliminar
    5. Sim, não 360º mas uns 300º são garantidos! ;) E existe ainda o sun deck, esse com vista 360º, mesmo ao lado do restaurante! Fica dentro do hotel mas se quiseres entrar e espreitar não me parece que digam que não, podes sempre tomar um cafezinho ;)

      Eliminar
  2. O cemitério está interdito a pessoas de outras religiões ou algo assim? Porque é que o senhor não podia lá entrar?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu julgo que não, pelo menos não encontrei nada. Talvez ele quisesse dizer que era kohen e portanto um padre judeu (embora não tenha sido o que ele disse em inglês ). Se assim for, um kohen não deve entrar em cemitérios, como vi aqui https://en.m.wikipedia.org/wiki/List_of_disqualifications_for_the_Jewish_priesthood

      Eliminar
    2. Incluí uma explicação com um link melhor no final do post, agora que já estou no pc e não no telemóvel ;)

      Eliminar
  3. Queria perguntar-te se chegaste a ir aqui
    https://en.wikipedia.org/wiki/Garden_of_the_Righteous_Among_the_Nations
    (lembrei-me agora por causa do Aristides de Sousa Mendes)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não, não consegui passar por lá, infelizmente.

      Eliminar