terça-feira, 13 de janeiro de 2015

Charlie

Sinto calafrios quando alguém diz "eles é que os provocaram". Quando defendem que não se brinca com a religião A, B ou C, ou com qualquer outro tema que alguém considere ofensivo. "A minha liberdade termina quando começa a do outro", e é verdade, mas um cartoon não é uma notícia, não é uma verdade, é apenas e só uma sátira. E isto é válido para muçulmanos, para políticos, e até para mim, se eu fosse uma pessoa conhecida e um possível alvo de um jornal humorístico. Se os desenhos têm piada, se são provocadores, se iria alguma vez comprar ou não ou jornal, isso pouco importa. O que para mim importa é que os humoristas possam trabalhar e desafiar a sociedade sem receio de que as susceptibilidades feridas os tornem em vítimas de qualquer atentado. Por isso, quando me falam que há limites e que há coisas com que não se brinca, eu não consigo deixar de pensar no meu bisavô, um homem que fez das palavras a sua arma e que foi várias vezes preso porque havia alguém que também achava que havia limites para o que se escrevia. Não há sátira política e social que seja politicamente correcta e, quando se começar a limitar o que é dito, surge a questão: qual é a fronteira? Imponho a minha visão do mundo aos outros e proíbo-os de satirizar o que eu acho ofensivo? Ora os limites, esses, deveriam ser os valores de cada um, nunca o medo, nunca a censura.

4 comentários:

  1. Olá, Gostei muito do teu blog e em especial deste post!
    Tens uma nova seguidora :)

    ResponderEliminar
  2. Concordo a 100%. Mais do que terem matado 12 pessoas, acertaram bem em cheio naquele que é para mim o valor mais basilar da nossa sociedade democrática. É por isso que nem consigo perceber o porquê da discussão acerca do conteúdo da revista. Eu não conheço a revista, não sei o que pensam ou o que dizem/desenham... Mas hoje mais do que nunca #soucharlie e estou aqui só para garantir que podem ter matado aquelas 12 pessoas mas nunca nos vão calar!

    ResponderEliminar
  3. Completamente de acordo. Se há coisa que me mexe com os nervos é a censura.

    ResponderEliminar