sábado, 31 de maio de 2014

quinta-feira, 29 de maio de 2014

Chegou a hora (atenção, post lamechas)

Oxford será sempre a minha casa fora de casa. Estudantes, turistas e todos aqueles que a reclamam para si, saibam que há 10anos que ela é minha, embora hoje um bocadinho mais. E se Londres é a minha capital do mundo, Oxford é sem dúvida a capital do meu mundo. Aquele onde o meu maior desgosto é nunca ter usado os seus trajes e ostentado o cravo na lapela. Hoje, Oxford, preparo-me para fazer as malas e deixar-te outra vez. Mas tal como todos os que por ti passam, também eu levo sempre um bocado de ti comigo. Cada regresso será certamente um regresso a casa e, aí, só Lisboa será sempre mais minha.




quinta-feira, 22 de maio de 2014

sábado, 17 de maio de 2014

This is England

Andei por aí e que Sábado fantástico que esteve hoje: sol e 23 graus, o que por estes lados é equivalente a dia de verão. Infelizmente a qualidade das fotos não é grande coisa mas talvez ofereça de mim para mim uma máquina decente (tive muita vontade de ter uma máquina melhor durante o dia de hoje).






De facto, todas as cidades são mais bonitas quando está sol!

sexta-feira, 16 de maio de 2014

"Inglização"

Hoje confundiram-me com uma inglesa ao telefone. Será que isto, a juntar ao facto de beber chá com leite e gostar de batatas fritas com sal e vinagre, me faz uma quase cidadã desta ilha? uff. Só espero não chegar às sandálias com meias brancas. Ou aos escaldões no Algarve.

terça-feira, 13 de maio de 2014

quarta-feira, 7 de maio de 2014

Amizade é

Um telefonema de grupo em 3 línguas entre dois países, just to say hi, just because I needed it.

domingo, 4 de maio de 2014

A coragem

Trocar o certo pelo incerto é um risco. Têm-me dito muitas vezes que não podemos prever os resultados exactos das nossas acções mas que nem por isso podemos (ou devemos) deixar de decidir, e é bem verdade. Às vezes só podemos contar com o nosso bom senso e a nossa motivação no caminho que escolhemos percorrer, com a certeza de que o seguimos com o objectivo de ser feliz. E não interessa que se possam pagar sapatos ou viagens se uma parte de nós ficou por cumprir. É mais ou menos como no poema: "falta cumprir-se Portugal".

sexta-feira, 2 de maio de 2014

Os macacos

Não ia escrever nada acerca do marketing e das bananas e das campanhas. O racismo é uma coisa que não compreendo, o facto de se ser melhor ou pior por causa da cor da pele, da cor dos olhos, da nacionalidade, do clube, do credo ou do sítio onde se mora é coisa para me tirar do sério. Porque se há coisa que me tira do sério é a injustiça, seja ela qual for. E é por isso que me faz impressão não se poder dizer "preto", porque afinal eu digo "branco" e "preto", tal como digo louro e moreno, alto ou baixo, magro ou gordo (mas também não se pode dizer gordo, por isso estou bem tramada). Acho muito bem que se fale da não discriminação, que não é comer uma banana e postar no Facebook como se é tão tolerante porque até se tem amigos de outra cor. Mas depois começa a fazer-me comichão o passo seguinte que as coisas acabam por tomar, como no caso das mulheres nos cargos políticos, ou nas empresas de engenharia. Que fica bem ter x% de mulheres, no board de directores ou no parlamento. E depois ficará bem ter y% de pretos e z% de pessoas às bolinhas. E são estas quotas e estas "discriminações" que também me incomodam. Porque ninguém devia ser preterido por causa da cor da pele ou do género que tem. Mas, de igual forma, ninguém devia ser preferido por isso. E é por isso que espero pelo dia em que não seja assunto discutir se o presidente dos Estados Unidos é branco ou preto, homem ou mulher. O dia em que as "diferenças" não sejam um issue. No fundo, o dia onde apenas conte quem nós somos e o que somos capazes de fazer.

quinta-feira, 1 de maio de 2014