quarta-feira, 16 de abril de 2014

I'm coming home


I’m coming home

tell the World I’m coming home

Let the rain wash away all the pain of yesterday

I know my kingdom awaits and they’ve forgiven my mistakes

I’m coming home, I’m coming home

tell the World I’m coming


Até já, Lisboa, está quase.

sexta-feira, 11 de abril de 2014

What goes around comes around

Estar num autocarro num simpático bairro de Oxford e ver umas 40 criaturas à espera de entrar. 40 passes para serem verificados. Qua-ren-ta. O motorista até desligou o autocarro por causa das tosses. Eu sei que hoje estou com pouca paciência mas eu só pensava que não bastava aquilo estar atrasado como ainda por cima tínhamos de estar ali à espera de uma excursão de miúdos a arrastar os pés (e que ainda por cima saíram duas paragens depois... ou seja, mais outro tanto para saírem). Até que reparei nas fitas ao pescoço. Aaaah, eu fui um deles há 10 anos atrás. E tive pena das pessoas que partilharam connosco as barulhentas viagens de autocarro e a lentidão de um grupo demasiado grande para andar de autocarro com agilidade. Então agora a escola é ali, hmmm. Bolas, estou velha.

quarta-feira, 9 de abril de 2014

Agnes no país da Rainha #4

Sabes que vives em Inglaterra quando há apostas no teu emprego acerca de quem vai ganhar o Grand National (uma corrida de cavalos, pois... eu também não sabia). Está tudo organizado, é tirar um papelinho, apontar o nome, entrar com 2 libras e esperar para ver quem ganha. Pena que este ano não fui eu!

segunda-feira, 7 de abril de 2014

E um dia

A vida dá-nos a carta "você está livre da cadeia", uma oportunidade de recomeçar e fazer o jogo à nossa maneira, outra vez, brand new. E ficamos ali a olhar para ela... será que é isto que queremos mesmo, será que fazemos bem? E lá no fundo, no fundiiiiinho (shiu!), achamos que a trocávamos por outra carta, uma que já perdemos há algumas jogadas atrás. E agora, começamos de novo?

domingo, 6 de abril de 2014

Personal

Às vezes, reconheço, queria uma casa feita de velas, um grand gesture, um tudo tem solução. Às vezes, um pedido de desculpas cai bem, e há tantas coisas que estão só à distância de um gesto.


sábado, 5 de abril de 2014

sexta-feira, 4 de abril de 2014

E ainda há quem não perceba

Não há verdade nenhuma, por muito má que seja, que justifique dizerem-me uma mentira. Porque a mentira dói sempre duas vezes, uma quando se sabe a verdade e outra por nos terem mentido.