sexta-feira, 31 de janeiro de 2014

terça-feira, 28 de janeiro de 2014

Porridge

Descobri o porridge e desde então sou a fã número 1 das mistelas. Para quem não sabe, porridge é uma espécie de papa nestum (não encontro melhor explicação) e que se faz em 2 minutos no microndas. Existem 500 mil sabores por esses supercados fora (porridge de mel, maçã e canela, banana e morango, you name it) e deve fazer parte dos hábitos alimentares britânicos praí desde que a criança sai da maternidade até ao final da vida. (Diria mesmo que uma saqueta de porridge e chá é tudo o que um empregado médio precisa de ter na sua gaveta do escritório). Mais um ponto a meu favor se um dia decidir pedir à Rainha que me faça um passaporte.

segunda-feira, 27 de janeiro de 2014

As praxes

Agora toda a gente fala das praxes e do Meco. E das praxes e do Meco. Não tenho nada a dizer do Meco mas gostava de falar das minhas praxes. Fui praxada numa academia com pouca tradição (nada a ver com Coimbra) mas o meu curso mantinha a sua própria praxe com o objectivo de jogar e conhecer o não muito grande grupo de caloiros que entravam. Tínhamos as nossas canções inofensivas, cantámos serenatas aos turistas e às senhoras do primeiro andar de muitos prédios no Chiado, apanhámos molhas nos repuxos da Expo, andámos ao contrário nas escadas rolantes do metro e tínhamos as melhores coreografias para o repertório musical com que íamos brindando Lisboa, claro. NInguém foi humilhado nem se sentiu melindrado com os jogos que fizémos e cada um só participou no que quis (eu própria confesso aqui que subi as escadas no sentido correcto!). Aliás, os mais velhos faziam tanto ou mais do que nos diziam para fazer e foram dos maiores entusiastas em algumas partes. Se foi fundamental para me sentir integrada? Não. Mas gostei de conhecer veteranos que de outra forma não teria conhecido e gostei de fazer parte da nossa pequenina (ínfima) tradição. Faz-me confusão esta conversa do "proíba-sa já isto das praxes", façam-se regras, mas não acabem a tradição só porque há anormais a quem o "poder" sobe à cabeça a partir do momento em que ganham mais matrículas.

quarta-feira, 22 de janeiro de 2014

Agnes no país da Rainha #3 (versão gastronómica)

Aprender a dizer biscuit e não cookie (I blame American TV series!). Descobrir que cookie é uma espécie de biscuit (vivia na ignorância até há bem poucos dias). Perceber que para um inglês a sopa é uma coisa que vem em pacotes. Chocar alguns com o facto de fazer a minha sopa, esse conceito exótico (qualquer dia tenho o Jamie Oliver à perna).

Agendadíssimo para a Primavera

Stratford-upon-Avon






Legoland

domingo, 12 de janeiro de 2014

Everyone is growing up

Uma das minhas amigas de sempre vai-se casar. E eu espero bem que esta vida de emigrante não me impeça de assistir a este momento tão especial. Está marcadíssimo na agenda e, no meio do choque de perceber que os casamentos se estão a aproximar dos amigos mais próximos, não podia estar mais feliz por ela! Agora vejam lá, nada de marcarem mais festas para 2014, que as férias não chegam para todos, ok?

sexta-feira, 10 de janeiro de 2014

Rainy days


Eu devia ter seguido o conselho da minha professora de Educação Visual do 9ºano e ter seguido Artes. A esta hora podia estar a trabalhar na Disney e a divertir-me imenso todos os dias.

quinta-feira, 9 de janeiro de 2014

Planos para os próximos fins de semana

Ou, pelo menos, quando o tempo começar a ficar melhor (dizem que ainda vem neve...). Já tenho uma lista longa de sítios que quero conhecer, que há muitas coisas giras nesta ilha para além das cidades mais óbvias (mil páginas de coisas giras, para ser mais exacta! - sim, o guia é assim tão grande).



quarta-feira, 8 de janeiro de 2014

Nós por cá

O prometido é devido e aqui ficam as fotos possíveis das cheias dos últimos dias. Isto já é uma zona dada a esse tipo de coisas, mas este ano está a ser bastante interessante, pelo que me contam.

E sim, isto era um parque.



domingo, 5 de janeiro de 2014

Dreaming spires

Oxford foi o primeiro passeio do ano, daqueles com direito a reportagem fotográfica. A chuva não deu tréguas e as fotografias ficaram escuras mas como diz o poema de Matthew Arnold "And that sweet city with her dreaming spires, she needs not June for beauty's heightening".