terça-feira, 31 de dezembro de 2013

Adeus, 2013

Casa nova, emprego novo, país novo. Quando brindei à entrada do novo ano foi isto que pedi e, apesar de todos os (vários) downs, a verdade é que 2013 me trouxe (quase) tudo o que estava na lista. E claro, algumas viagens para recordar. E é por cada uma delas me fazer lembrar uma parte específica do ano que deixo aqui a lista das viagens com fotos do meu baú. E porque não deixa de ser incrível que Liverpool me pareça agora a toda uma eternidade de distância. 2014, bring it on.

 (Liverpool, UK)

 (Bruxelas, Bélgica)

(Bruges, Bélgica)

(Dublin, Irlanda)

 (Londres, mais uma vez, e... Harry Potter!)

 (Dubrovnik, Croácia)

 (Perast, Montenegro)

(Kotor, Montenegro)

(Berlim, Alemanha)

terça-feira, 24 de dezembro de 2013

Vou a caminho



Caros senhores dos comboios e da TAP, é favor não se atrasarem hoje, que tenho muita gente à espera de mim para o jantar e nunca cheguei a casa tão tarde na véspera de Natal.

domingo, 22 de dezembro de 2013

És um fixe, São Pedro

Acordo de manhã, suuuuuper sol, e penso "boa, vou comprar as prendas que me faltam". Saio de casa e começa a chover como se não houvesse amanhã. Volto para casa. 10 minutos depois está outra vez um sol radioso, e continua! Vou encarar isto como um sinal divino de que devo fazer as compras como bom tuga, no aeroporto, mesmo mesmo antes de embarcar. Não há-de ser nada.

sexta-feira, 20 de dezembro de 2013

All I want for Christmas

Já quase toda a gente foi para casa. Tenho evitado ler o Facebook e prestar atenção aos "de férias" que vão surgindo em todas as línguas porque este ano vou trabalhar dia 24 e só dia 24 à tarde vou voar para casa. Por isso estou aqui a rezar para que o tempo esteja bom, que as greves não afectem os voos e que tudo esteja alinhado para que eu possa estar em casa à hora do jantar (literalmente). That's all I want for Christmas. Eu e toda a população dos aeroportos britânicos, parece-me. Por isso, Pai Natal, acho que tens aqui uma oportunidade de agradar a bastantes pessoas!


quinta-feira, 19 de dezembro de 2013

terça-feira, 17 de dezembro de 2013

O drama quotidiano

Se há coisa que não gosto por aqui são os transportes públicos (Inglaterra infelizmente não é Londres, com metro e autocarros em cada esquina). A companhia de autocarros na qual viajo todos os dias para ir para o trabalho é péssima: os atrasos são constantes e o número de veículos por hora é ridiculamente baixo. Para terem uma ideia hoje estive desde as 7.40 às 8.25 sem nenhum autocarro para o meu destino passar por ali! E "ali" é a estação onde imensos commuters chegam (e vão) de Londres... Adiante. Dizia eu que esperei 45 maravilhosos minutos, enquanto 3 autocarros em cada direcção (menos a minha...) passavam, todos de companhias diferentes. No meio disto tudo, e já dentro do transporte para finalmente ir trabalhar, meto conversa com um rapaz acerca dos horários e das paragens e demos conta que éramos os 2 portugueses e até moramos perto um do outro. Ele há coincidências brutais!

segunda-feira, 16 de dezembro de 2013

Agnes no país da Rainha #2

Domingo que é Domingo tem Sunday Roast num pub perto de si. E eu fui a um dos pubs cá da terra, típico mais típico não há (que morar no campo é mesmo assim).

quarta-feira, 11 de dezembro de 2013

Nova vida

Não só passei a usar fato e sapatos todos pipis como deixei de ter tempo para me coçar. Para começar, demoro imenso tempo em commute time (dei-me conta que agora falo muito mais à camone, juro que é só mesmo falta de serviço de tradução mental e não armar-me aos cucos), sobretudo por morar bastante perto mas perder uma quantidade ridícula de tempo em transportes, especialmente se não apanhar à hora X ou Y. Mas onde ia? Ah, em não ter tempo. Chego a casa e ainda tenho de tratar de coisinhas que não matam mas moem, como lavar a loiça à mão ou tratar das utilities e responder a cartas oficiais que teimam em aparecer cá em casa (a sério, caros senhores da água, luz, national insurance, council tax...etc etc... já chega). E depois é manter as pessoas actualizadas, como vai o trabalho e a vida, que não queremos que daqui a 1 mês ninguém se lembre sequer como me chamo. E comer, dizem que dá jeito. E passar a roupa. E tentar manter-me a par de alguns projectos que sigo a partir de casa. Quem é que se lembra que é Natal e há um blog? Uff. Como eu gostava de ser como aquelas bloggers que têm muito que fazer mas ainda mantêm um blog fofinho e arranjado, com imensas coisas interessantes. Por essas é por outras é que não ganho a vida assim (mas s ecalhar devia, que é capaz de ser menos stressante!)

sábado, 7 de dezembro de 2013

"Ah que o Outono é tão lindo"

Pois, a não ser que morem no campo e tenham que andar a apanhar as folhas do jardim, resultado do vendaval dos últimos dias (ou corria o risco de ter um dique de folhas à porta de casa). Sou definitivamente uma pessoa da cidade. (Ou uma cliente em potência para um jardineiro!)

quinta-feira, 5 de dezembro de 2013

Eu sabia que este dia ia chegar

Passei a trabalhar num sítio onde se anda (pelo menos) com calças de fato e onde as calças de ganga só entram, quanto muito, à sexta feira. É todo um mundo novo, longe do ambiente descontraído de escritório a que vinha habituada.

quarta-feira, 4 de dezembro de 2013

A questão da televisão

Não bastam já todas as burocracias, por cá existe a chamada TV Licensing, que consiste basicamente em pagar cerca de 140 libras por ano para poder acedar a programas que estejam a dar ao vivo (ou em simultâneo, no caso de filmes e séries) na televisão. Primeira carta que recebo em casa, depois do "paga mas é o council tax" e de outra a dizer "ah, afinal também podes votar, já que pagas o council tax", foi uma carta da TV Licensing a dizer que a minha casa não tem licença e que tenho de dizer qualquer coisa ou então vão investigar-me. Wow! Bem-vinda, Agnes! Ora bem...eu não quero TV License nenhuma! Eu tenho Netflix e ainda não vi metade do que há por lá, quero lá saber se não posso ver coisas em directo na televisão (ou no computador, ou no telemóvel....que isto da TV License é para todos os dispositivos, desde que se esteja a ver live tv). Por isso, hoje liguei para lá e disse "muito obrigada, mas não", e vai de me fazerem perguntas, se usava isto e aquilo, naquela entoação de quem está a ler um texto formatado para ser lido a qualquer alma que ligue para lá. Só vos digo, uma pessoa sente-se uma criminosa por estar a ligar e dizer que não vai pagar o raio da TV (que não vai usar!). Senti quase um "hmmmm, tu estás a ligar para cá mas na verdade vais desatar a ver a bola ou o telejornal da tua terra em directo, porque isso é mega genial" (permitam-me a liberdade criativa!). O que vale é que é mais uma coisa que está tratada.

terça-feira, 3 de dezembro de 2013

Burocracias

Mudar de país implica 500 mil papéis (ou páginas de internet, na versão moderna). Foi abrir conta no banco, tratar do telemóvel e da internet, mudar as utilities bills para meu nome, tratar do desconto para o council tax, marcar uma entrevista para ter o malfadado National Insurance Number (que só tinha vaga para daí a uma semana! uma semana! e vou ter de ir e mostrar que sou eu e explicar porque raio quero o NIN... e tudo isto em horário laboral que vou ter de compensar, pois claro, expectacular JobCentre, espectacular...), é ver seguros para a casa e perceber como raio funcionam os transportes e quais os passes que há por cá. É um maravilhoso mundo novo, com ordens de direct debit e standing orders e que espero acabar no máximo para a semana. Resta-me pensar que se mudar de casa pelo menos já só tenho de fazer o update da nova morada o que, hopefully, poderá ser feito online.

segunda-feira, 2 de dezembro de 2013

Aqui em casa (também) já é Natal

Estou finalmente naquela que vai ser a minha casa durante pelo menos meio ano. E como quem tem amigos, tem tudo, fomos quatro em vez de dois a carregar caixas e montar móveis do IKEA. Gostava de dizer que já está tudo preparado mas ainda há coisas para arrumar (como??) e caixas de cartão infinitas que estou em dúvida se hei-de guardar ou se marimbo e deito mas é tudo fora. No meio disto tudo, quase me esquecia que é Natal. Quer dizer, não me esqueço, porque agora vivo num país onde tudo o que é loja de bairro tem mil e uma coisas alusivas à data (e coisas giríssimas!), mas agora que estou sozinha é como se fosse menos Natal, se é que isso faz algum sentido. No entanto, e como só vou embora dia 24 de Dezembro, achei que merecia uma árvore de Natal e para lembrar a primeira quadra natalícia passada numa casa só minha, comprei até uma bola a dizer Christmas 2013.