quarta-feira, 9 de janeiro de 2013

Decisions

De hoje a um mês faz 3 anos que fiz o meu último exame. (As coisas parvas que eu decoro!) 3 anos, gente! 3 anos é muito ano! Em 3 anos eu tinha planos para ter feito muito mais do que fiz. A minha vida até aqui não foi nada do que tinha planeado, e sim, eu sei que alguém vai dizer que ninguém tem a vida que quer mas isso cheira-me sempre a tanga. Há pessoas que têm planos e os planos realizam-se, eu conheço umas quantas. A mim, o destino (?) deu mais voltas do que aquelas que eu gostaria. Andei três anos a construir e desconstruir um caminho e, pelo meio, arrependo-me de muitas coisas que fiz (mas curiosamente arrependo-me mais de todas aquelas que decidi não fazer). Hoje, estou finalmente onde sempre quis estar. Ou melhor, estou ao lado daquele espacinho onde sempre quis estar. E não sei se é por estar só ao lado, mas a verdade é que isto não é bem aquilo que eu esperava. E hoje, 3 anos depois do meu último exame, estou com uma crise existencial do tamanho do mundo. E sinto que 3 anos é imenso tempo e eu devia saber o que quero da vida em vez de estar para aqui a pensar se isto é mesmo assim, se é má percepção minha, e afinal o que quero ser quando for grande. Acho que gostava imenso que houvesse um teste onde eu fosse preenchendo os quadradinhos e no final, qual teste da Bravo, me colocasse numa qualquer categoria e dissesse "Parabéns, tens o perfil indicado para ser uma cantora pop!". Infelizmente, acho que vou ter que me desenrascar sozinha.

5 comentários:

  1. Podia ter sido eu a escrever isso. É encarar e fazer alguma coisa. *

    ResponderEliminar
  2. nem sempre o planeado corre como esperado, mas o importante é que hoje estás bem!

    ResponderEliminar
  3. L.: exacto, tenho que aprender a aceitar as minhas circunstâncias e descobrir o que raio quero fazer daqui para a frente. Beijinhos
    Fashionista: sim, de facto cheguei onde quis mas tenho um enorme vazio à frente e isso assusta-me bastante. Beijinhos

    ResponderEliminar
  4. Engraçado... há uns 5-6 anos, falando das mesmas questões existenciais que me assombravam na altura, tive como resposta uma frase que me ficou gravada na alma - algo do género: algumas das pessoas mais interessantes que conheço ainda não sabem o que querem da vida aos 40 anos.
    Hoje, a 1 mês de fazer 36 anos, continuo sem saber muito bem que rumo quero dar à minha vida.
    Não tenho nada traçado, não tenho nada definido; vou tomando decisões e me moldando e adaptando à medida que as oportunidades aparecem - e posso dizer que já fiz coisas e vivi em lugares que nunca me passaram pela cabeça... como Amsterdão! ;)

    ResponderEliminar
  5. Angela: obrigada pelas palavras, a sério. Um beijinho grande para ti!

    ResponderEliminar