terça-feira, 29 de janeiro de 2013

Ah, então é isso

This is why I'm having a hard time finding a career path



Olha quem está de volta

As saudades que eu não tinha de chegar encharcada ao trabalho. Isso e a sensação de sair de burka, porque me cubro toda desde a cabeça aos pés, só mesmo ali com um pequeno intervalo nos joelhos, entre botas/galochas e kispo michelin que me acompanha na cruzada que é o Inverno nesta terra. Guarda-chuva também não é grande aliado porque está sempre um vento infernal, por isso é enfiar o capuz e siga. Um outfit sexy à brava. Não dá para ter um dia assim razoável, onde dê para vestir um casaco que seria normal num Inverno de qualquer outra terra? É que eu já estou farta do meu casaco de frio/chuva, sinto-me num uniforme enchoriçado e não tem piada nenhuma. Aliás, mal posso esperar pelo casaco que a minha mãe, solidária com a minha agonia, me comprou nos saldos. Quem tem uma mãe tem tudo, é o que vos digo.

Dark mood

Estou a precisar de ir às compras. "Precisar" porque me fazem falta algumas coisas e "precisar" porque me apetece ver montras e espairecer. Enquanto esse dia não chega, fica a listinha.

Uns sapatos pretos. Não necessariamente estes, que são demasiado bicudos para o meu gosto.

Uma carteira preta. Estou indecisa entre estas três.

Umas calças "de gente". Não faço ideia como são ao vivo, se calhar são as duas horríveis.

Um blazer preto que não seja demasiado "pipi".

E pronto, no verão, assim na loucura, talvez compre um blazer branco.

(Tudo numa Zara perto de si. - ah pois, este blog também está atento às tendências da Zara, pensam o quê?)

segunda-feira, 28 de janeiro de 2013

Eu sabia que este dia ia chegar

Mãe da Agnes: "aqui está muito frio, e aí?"
Agnes: "hmm, olha, aqui por acaso está bom, já não está frio!".

E eu estava a falar a sério! Esta coisa de se passar de repente para temperaturas positivas faz maravilhas. Só é pena o vento. E a chuva, claro, que o tempo nesta terra não dá nada "de borla" a ninguém.

sexta-feira, 25 de janeiro de 2013

O cúmulo da experiência "expatiana"

Experimentem ir num voo de Amesterdão para qualquer destino no Reino Unido numa sexta feira à tarde. A sério. Eu juro que tem tudo cara de quem estava a contar os minutos no emprego para se pôr a caminho de Schiphol e aterrar finalmente em casa. Vale a pena por toda a experiência sociológica da viagem, vão por mim.

quinta-feira, 24 de janeiro de 2013

Aaaah, a maravilha da integração

Um dia destes saí de casa e pensei "epá, hoje está mais quentinho, não preciso de calçar as luvas". Estavam -2ºC. Pronto, é assim que se vê que o mundo está perdido. Ou, pelo menos, eu estou, a avaliar pela cara de choque da minha mãe quando lhe contei isto pelo Skype.

Confesso

Despachei um pacote de Lays. Fiquei com remorsos de todo aquele sal e gordura ingeridos quando comparados ao meu sedentarismo agudo, mas pronto...que se lixe. Começo amanhã a ser mais saudável. Amanhã é que é!

quarta-feira, 23 de janeiro de 2013

Já colori o calendário

Que é como quem diz, já tenho umas férias marcadas nesse sítio exótico chamado Lisboa e estou análise para o destino dos dias livres que tenho na Páscoa. Para além disso, estou a magicar um fim de semana em Londres para riscar uma coisa da minha bucket list:


Estou em pulgas para ouvir cantar a Sofia Escobar!

terça-feira, 22 de janeiro de 2013

Isto é tudo muito bonito

Mas à minha porta está um lamaçal que não se aguenta. Tenho saído de galochas, que troco por uns sapatos melhorzinhos no trabalho, mas isto é calçado que é frio como o raio! Interrogo-me se toda a gente que tira e posta fotografias com as suas Hunter num cenário idílico de neve passa efectivamente algum tempo a andar na mesma. É que dada a impossibilidade de manter os pés quentes, hoje arrependi-me 50 mil vezes de as ter calçado, infelizmente são a solução perfeita para atravessar o lamaçal que me separa da paragem do autocarro. Isto é uma vida difícil, é o que vos digo.

segunda-feira, 21 de janeiro de 2013

A vida na Holanda

Uma das coisas que mais gosto de ler nos blogs de pessoal que vive fora de Portugal é a descrição do novo país de residência: os hábitos, as pessoas, as semelhanças, as diferenças... Ao pensar nisto, dei-me conta que nunca fiz isso aqui neste cantinho, portanto decidi partilhar os meus 2 cents de (quase) 1 ano no país das tulipas. Vale o que vale, obviamente, que eu não sou representativa dos expats tugas neste país e muito menos uma expert para guiar seja quem for que se aventure a mudar-se para aqui, eheh.

1- Primeiro que tudo, deixem-me dizer-vos que não trabalho num sítio propriamente holandês, ou seja, como há pessoas de todo o lado a cultura do ambiente laboral holandês perde-se um bocado, contudo, pelo que reparei, aqui não existe o conceito tuga de ser bom para a imagem ficar a trabalhar até mais tarde e eu gosto disso. Chamem-me estranha, mas gosto da ideia de ter uma vida para além das working hours.

2- Isto é tudo (demasiado) plano, mesmo! Eu sei que é um facto muito trivial e desinteressante, mas juro que depois se olha com outros olhos para as subidas e para as montanhas! E até eu, que sou pessoa de planícies, passei a ter saudades de uma ou outra colina a enfeitar a paisagem.

3- Os holandeses são um povo que aproveita muito o ar livre. Se não chove, vão passear, andar de barco, passear o cão, vão com os miúdos ao parque, fazem um piquenique, o que for, menos ficar em casa. Sinto que aproveitam muito aquilo que têm e se tiverem de se deslocar não se chateiam com a chuva, continuam a ir para a escola e para o trabalho de bicicleta, sem qualquer problema.

4- Por aqui, diz-se aquilo que se pensa. O que soa muito bonito até uma pessoa se dar conta que há toda uma série de coisas que não se dizem em sociedade, sei lá, fica mal. É aquela fronteira entre frontalidade e falta de "filtro"/educação que aqui não está muito bem definida.

5- Totalmente relacionado com o ponto anterior, a generalizada falta de politeness. O chocar com alguém na rua e não ouvir um "desculpe", o não respeitar uma "fila" (o conceito de fila nesta terra também é coisa estranha) para entrar no autocarro e coisas assim do género que nem vale a pena enumerar, que eu sou uma pessoa que sofre dos nervos.

6- Gosto da segurança. Eu não moro numa grande cidade (se é que esse conceito existe por aqui), mas a Holanda parece-me em geral um país seguro. Aqui, no cámpo, pode-se sair à noite sem problema, em caso de dúvida levem a bicicleta e pedalem mais depressa que a outra pessoa, ahahah.

7- Apesar de serem uns mariquinhas e cancelarem imensos comboios se estiver muito frio, muito sol, muita chuva e assim (ok, isto sou eu a ironizar, mas não posso dizer que me surpreenderia muito se algum dia a NS dissesse "amanhã não haverá comboios porque se espera muito sol"), a rede de comboios intercidades é muito fixe. Não há aquelas mariquices de lugares reservados como em Portugal, ou o sistema ainda mais mariquinhas do UK, não, a pessoa chega, compra o bilhete e entra, como se fosse o metro. Seja daqui para 2km ali à frente ou seja para o limite da Holanda (que, ok, não é assim tãaaao grande).

8- O 9292.nl é a melhor invenção de todo o sempre. É só pôr o sítio de partida, o sítio de chegada e sabem que transportes têm de apanhar. Ainda relacionado, o ov chipcard, um cartão recarregável que serve para todo o país, é só pôr dinheiro em qualquer máquina de bilhetes e siga para bingo!

9- Pode-se fazer tudo pela net! Pedir o ov chipcard, personalizar o vosso perfil nos correios (como, por exemplo, escolher os dias que preferem para entrega de encomendas e onde deixar a encomenda caso não estejam em casa!), mudar o serviço de telemóvel, pedir um sim card de qualquer rede, ver as transacções que efectuarem nos transportes (só se tiverem um ov chipcard pessoal, e aí podem ver hora de entrada, saída, dinheiro gasto, etc), assim como, por exemplo, comprar online na maior parte das lojas que encontram por aí (já que quase todas têm site). Às vezes o lado negativo é querer fazer qualquer coisa num guichet da estação, uma alteração, um pedido, seja o que for, e ouvir como resposta "tem que ir à net e fazer isto e isto....", er... "mas eu não quero a net, queria fazer aqui", "ah, mas não pode ser", pois, está certo, obrigadinha.

10- E por falar em net, temos o buienradar, essa maravilha da web que mostra a simulação da precipitação em território nacional, super fã!

11- Finalmente, e também por falar em internet e afins, deixem-me só dizer que o serviço ao cliente em geral é mauzinho. É isso e servir às mesas nos restaurantes, esta gente não tem muito jeito para a coisa, não.

E sim, toda a gente fala inglês por aqui, por isso vão sobreviver na boa.

(a isto se chama um conjunto de factos random, sim senhor...)

domingo, 20 de janeiro de 2013

Agnes dona de casa

É em dias como este, em que passo tempos infinitos a passar a ferro (sim, eu passo a ferro, a minha roupa não fica passada por magia como já toda a gente me disse que fazia, sou um bocado para o old-fashioned), que me pergunto a mim mesma, como raio tenho tanta roupa para passar quando parece que nunca tenho nada que vestir... Há aqui qualquer mistério que me ultrapassa.

Neve, take 3

Parece que vai nevar como se não houvesse amanhã.


 Continuemos então a maratona de Sex and the City.

sábado, 19 de janeiro de 2013

A velhota que há em mim

 Os meus colegas gozam comigo porque eu tenho um carrinho de compras como este

 "Ah, isso é mesmo coisa de velhotas, sais com isso à rua?". Saio sim, e dá um jeitão! Eu vivo suficientemente perto do supermercado para ser parvo ir de bicicleta (convenhamos que o espaço de arrumação na bicla também não é grande coisa) e suficientemente longe para carregar as compras de uma semana (tenho lá paciência e tempo de ir mais vezes ao supermercado!), daí que um carrinho destes seja a solução ideal. Trago os 50 mil litros de leite que bebo por semana e tudo o resto sem dar cabo do meu ombro (as minhas maleitas, essas sim, são de pessoa idosa), win-win!

terça-feira, 15 de janeiro de 2013

O melhor da vida

Recebo quase todos os dias emails do Booking. Com promoções e destaques e mimimi. E de todas as vezes abro o link e vou ver os hotéis em todos os sítios que gostava de visitar, organizadinhos na minha lista de favoritos. E depois descubro outros sítios e vou clicando e clicando até que a realidade se impõe e é hora de fechar o brower. Sabe-me mesmo bem este bocadinho de viajar através de um clique, encaixar potenciais viagens nos vários meses do ano (deste e dos próximos). Infelizmente, acho que tenho demasiados planos para o tempo (e o dinheiro) disponível, ahah.

sexta-feira, 11 de janeiro de 2013

A polémica do momento

Não se fala de outra coisa na internet a não ser dos malfadados vídeos da Samsung e, claro, da Pepa e da sua mala. Se é certo que os vídeos são mauzinhos (opá, o da Pepa dá uma certa vontade de desatar à estalada, que não se aguenta tanta conversa abetalhada) não me parece razoável todo o ataque que tenho visto por aí. Os vídeos da marca feitos por bloggers de moda são isso mesmo: vídeos da marca feitos por bloggers de moda. Não são a campanha presidencial, nem o concurso de Miss Universo para todos os entrevistados dizerem que querem muito a paz no mundo, e não me parece que tenham de ser uma coisa super intelectual onde se debate filosofia e se abordam os problemas sérios da sociedade, as coisas banais também têm lugar na vida, acho eu. (Eu também quero ir a muitos sítios em 2013, desculpem lá qualquer coisinha se esse é um dos meus objectivos do ano.) Com isto não defendo minimamente as escolhas dos meninos da Samsung, acho que até me encolhi na cadeira com algumas "tiradas" que ouvi por ali. No entanto, os argumentos que as pessoas usam para atacar a moça que quer a mala da Chanel deixam-me perplexa. Sobretudo (e o que me fez escrever este post) irrita-me bastante este sentimento que parece prevalecer em Portugal que, por estarmos em crise, não se pode falar de mais nada a não ser da dita cuja. Ninguém pode dizer que vai ao cinema, ou jantar fora, ou comprar um trapinho. Não. Temos todos que mostrar que somos mais coitadinhos do que o vizinho, qual telejornal da tvi, num rol de desgraças de fazer chorar as pedras da calçada. Eu sei que há crise, sei que há pessoas que passam mal e sei que não podemos nem devemos viver alheados da realidade, mas uma coisa é estar consciente da realidade outra coisa é não parar de puxar para baixo! Repito, os videos não estão geniais (e sim, no plural, que eu vi os outros), mas o pessoal preocupa-se muito com coisas que não merecem a energia. São vídeos. Não são representativos da sociedade (nem têm que ser), não são entrevistas a políticos, são apenas e só desejos de bloggers de moda, de quem se espera que falem de coisas materiais (afinal, o trabalho deles gira à volta disso). Podiam ter escolhido melhor? Sim, sem dúvida. A Pepa é betinha? Deixá-la ser. Mas tanto ódio faz-me impressão, e também não me parece que faça muito bem a saúde...

[edit: fiz este post no word e colei aqui, fica com um raio de um fundo nas letras que não consigo tirar, desculpem a nabice]

quinta-feira, 10 de janeiro de 2013

Olha, achei piada

E preciso de pensar noutras coisas, isso também. Por isso vou responder às perguntas do desafio da Joana.

1- Preferes fazer planos ou viver somente o agora?
Ahah. Planos, sempre. Sou uma pessoa que gosta de ter o amanhã todo planeado, o que às vezes (muitas vezes??) é uma chatice.

2- Alguma vez deixaste de acreditar verdadeiramente no amor?
Não.

3- Acreditas em Deus?
Não sei, honestamente. Acho que o meu lado científico diz que não, mas toda uma educação católica não diz que não.

4- Já disseste nunca e quebraste a regra?
Hm. Não me lembro.

5- Qual a tua fotografia preferida?
Não tenho nenhum ranking, mas gosto bastante desta (onde me inspirei para o nome do blog)


6- Colecionas alguma coisa?
Colecciono postais e lápis dos vários sítios que vou visitando.

7- Qual a tua imagem de marca?
Aqui na Holanda é ser sempre a pessoa com um guarda-chuva! Ahahah.

8- Uma data importante para ti...e porquê.
28 de Fevereiro. Porque foi o dia em que saí de Portugal.

9- Preferes as manhãs, tardes ou noites?
Para trabalhar, prefiro as manhãs. Ultimamente vivo de noite (levanto-me de noite, é noite até às 9h, depois anoitece às 17h, estou um bocado farta da escuridão).

10- Porque segues o meu estaminé?
Porque é um blog pessoal, gosto da partilha.

11- Quando vais participar no desafio "O meu pijama é mais giro que o teu"? Ihih..
Dei-me conta de que serei uma péssima participante nesse desafio! Eu não tenho propriamente pijamas matchy-matchy:  durmo sempre de calções, que compro "soltos" e misturo com todo o tipo de tshirts lisas que fiquem minimamente bem (ou não). Não há bonecos nem estrelinhas nem nada de especial. Mas vou ver se desencanto as únicas calças de pijama que tenho e que podem entrar no desafio!

As minhas 11 perguntas para quem as quiser agarrar (não vou passar a ninguém) são (posso repetir perguntas que vi, posso posso posso?):

1- De onde vem o nome do teu blog?
2- Quais são as tuas viagens de sonho?
3- Que características mais aprecias numa pessoa?
4- És uma dog-person ou uma cat-person?
5- O teu blog é secreto para as pessoas que te conhecem na "vida real" ou tens amigos/família que te lêem regularmente?
6- Que livro tens actualmente na tua mesinha de cabeceira?
7- Quantas (e quais) línguas falas?
8- Que música podia ser a banda sonora da tua vida?
9- Por que razão decidiste escrever um blog?
10- Se pudesses fazer qualquer coisa em 2013 qual seria o teu "desejo"?
11- Quando eras criança o que querias ser quando fosses grande?

quarta-feira, 9 de janeiro de 2013

Decisions

De hoje a um mês faz 3 anos que fiz o meu último exame. (As coisas parvas que eu decoro!) 3 anos, gente! 3 anos é muito ano! Em 3 anos eu tinha planos para ter feito muito mais do que fiz. A minha vida até aqui não foi nada do que tinha planeado, e sim, eu sei que alguém vai dizer que ninguém tem a vida que quer mas isso cheira-me sempre a tanga. Há pessoas que têm planos e os planos realizam-se, eu conheço umas quantas. A mim, o destino (?) deu mais voltas do que aquelas que eu gostaria. Andei três anos a construir e desconstruir um caminho e, pelo meio, arrependo-me de muitas coisas que fiz (mas curiosamente arrependo-me mais de todas aquelas que decidi não fazer). Hoje, estou finalmente onde sempre quis estar. Ou melhor, estou ao lado daquele espacinho onde sempre quis estar. E não sei se é por estar só ao lado, mas a verdade é que isto não é bem aquilo que eu esperava. E hoje, 3 anos depois do meu último exame, estou com uma crise existencial do tamanho do mundo. E sinto que 3 anos é imenso tempo e eu devia saber o que quero da vida em vez de estar para aqui a pensar se isto é mesmo assim, se é má percepção minha, e afinal o que quero ser quando for grande. Acho que gostava imenso que houvesse um teste onde eu fosse preenchendo os quadradinhos e no final, qual teste da Bravo, me colocasse numa qualquer categoria e dissesse "Parabéns, tens o perfil indicado para ser uma cantora pop!". Infelizmente, acho que vou ter que me desenrascar sozinha.

domingo, 6 de janeiro de 2013

Voltei

das 3 semanas de férias que me souberam pela vida. Fiz imensas coisas e descansei bastante pelo que me irritou ser invadida por aquela sensação de ter saído ontem que me assalta sempre em final de férias. Vamos ver se melhora com o tempo. O ano novo, esse, começa agora. Não faço resoluções porque sei que invariavelmente não as vou cumprir e depois vou-me sentir uma incompetente por não ter riscado a minha lista de achievements, assim sendo, deixo alguns projectos que tenho gaveta para este ano. Um deles, são as viagens. Praga, Budapeste, Berlim e Croácia são quatro hipóteses na minha lista, vamos ver o que se concretiza. Assim como Itália, que prometi a uma amiga que ia estar na plateia no graduation day e tenciono cumprir (e, de caminho, riscar Milão, Verona e Florença da lista de "locais a visitar"). Mais no fundo da gaveta de projectos está uma visita à Ásia, que vai depender do conselho de estado sobre as minhas finanças pessoais (piadinha). Espero decidir uma boa parte disto nos primeiros meses do ano, que não há nada mais deprimente do que olhar para o calendário em branco que está na parede do meu escritório, ainda por cima depois de um ano tão colorido (eu pinto os dias de férias) como foi 2012. De resto, 2013 será o ano que ditará o meu futuro fora da Holanda. And I for one, can't wait.