terça-feira, 11 de dezembro de 2012

As coisas surreais que me acontecem por aí

Desde sempre que atraio as situações e pessoas mais bizarras nos transportes públicos. As minhas histórias na Carris davam toda uma novela (Carris! ahhh, as saudades! quem havia de dizer que afinal até funcionas bem!) mas no país das tulipas foi hoje a primeira vez que fui abordada por outra pessoa. Assim sem mais nem menos, uma senhora dos seus 50 e muitos anos senta-se ao meu lado e desata a falar em holandês. Não sei o que achei mais surpreendente, o facto de eu até perceber o que ela me estava a dizer, se ela ter começado uma conversa comigo, just like that. Mas não pensem que foi uma conversa de "então e o autocarro veio atrasado, não?", nada disso! Foi toda uma história de vida. Saber que não é de cá (aaah, 'tá tudo explicado), que chegou há um ano e anda a aprender holandês (aí fiquei desmoralizada porque a mulher falava pelos cotovelos, numa fluência impressionante), que ia fazer um exame porque precisava de ter um exame de língua por não ser da União Europeia, mostrou-me os apontamentos das aulas, muito orgulhosa do seu caderno com os verbos e o vocabulário todo, comentou que os bilhetes estão mais caros agora com a nova empresa de transportes, perguntou se eu sabia quanto se pagava agora pelas viagens, e de onde eu era, e o que fazia, e tudo e tudo. Foi uma loooonga viagem de autocarro, a tentar articular frases em holandês e desejar que a minha paragem chegasse depressa. É que a senhora até era simpática e a mim custa-me despachar alguém. Só ia escrevendo mensagens no telemóvel, à espera que ela parasse de falar porque o meu cérebro só aguenta uma certa quantidade de holandês por dia e hoje foi claramente ultrapassada... Para a próxima, não me esqueço dos phones em casa, é certo.

1 comentário:

  1. É incrível como há pessoas que têm uma necessidade imensa de falar, mesmo que não conheçam a pessoa de lado nenhum :)

    http://semjeitonenhum.blogspot.pt

    ResponderEliminar