segunda-feira, 5 de dezembro de 2011

Um ano depois

Por mais voltas que a vida dê, há caminhos que serão sempre nossos. É isso que sinto quando por qualquer razão me cruzo com o percurso que fazia para a universidade. Aliás, se não desligar o "piloto automático" dou por mim a seguir esse mesmo caminho, sem sequer pensar. Percorro as mesmas ruas, atravesso o jardim, e depois reparo "espera lá, não é para aqui". Não é propriamente saudosismo, até porque eu ainda me lembro muito bem de pensar que o melhor dia seria o último (que a vida de estudante nunca me pareceu o mar de rosas que toda a gente me tentava fazer crer que era!). Acho que é apenas um carinho especial por aquela casa que foi a minha durante 5 anos, que me transformou (e de que maneira!), que me fez duvidar de mim como até então nunca tinha duvidado, mas que também me deu outras capacidades. Nela ganhei amigos para a vida, chorei de desespero, saltei de alegria, pensei "não sou capaz", superei-me, venci alguns medos, sofri grandes desilusões, revoltei-me com injustiças, conheci pessoas extraordinárias, tive oportunidades únicas, passei horas a jogar à sueca (sou uma profissional), aprendi imenso.

Vai fazer um ano que acabei a universidade. Desde então, voltei lá algumas vezes mas já não me sinto parte dela. Ela, contudo, será sempre parte de mim.

2 comentários:

  1. Espero um dia pensar o mesmo da minha faculdade. Ainda estou a passar pela fase do desespero.. e das alegrias assim de longe a longe que também aparecem. E também acho que o dia mais feliz desta vida académica será aquele em que um professor me der um aperto de mão e dizer "Já é uma engenheira!" depois de ter ouvido a minha tese.
    Onde anda isso...

    ResponderEliminar
  2. Mas vais ver que esse dia até chega mais depressa do que se julga. Pelo menos para mim, do 3º ao final do 5º foi um instantinho ;) Beijinhos Joana!

    ResponderEliminar