quinta-feira, 29 de dezembro de 2011

A polémica das rendas

Não se fala de outra coisa na televisão a não ser da nova lei do arrendamento. Se por um lado percebo a preocupação de quem diz que isto vai sobrecarregar algumas famílias que já não podem suportar encargos adicionais, também consigo ver como rendas de 15 e 20 euros são ... ridículas. Eu não percebo nada disto de rendas e propriedades e afins, mas a minha (modesta) ideia é que se criou um ciclo vicioso de rendas baixas-falta de obras-prédios degradados-rendas baixas. E esta actualização já era precisa há muito tempo. É isso e o incumprimento por parte dos inquilinos ser mais rapidamente punível - que o tempo (e dinheiro!) que se gastavam a expulsar de NOSSA casa pessoas que lá permaneciam ANOS sem pagar um tostão era incompreensível à luz de qualquer justiça. Que isto é tudo muito bonito, mas as pessoas estão a usufruir do nosso imóvel, convém que paguem a renda no final do mês, não é verdade? Os outros, com empréstimo, também pagam ao banco, não há cá Santas Casas da Misericórdia (não desvalorizando o papel social que estas desempenham). Claro que espero que haja bom senso em todo este processo, meaning que haja uma real adequação das rendas às realidades e às necessidades. Sobretudo, também gostava muito que se reabilitassem as zonas mais antigas das cidades, como aqui em Lisboa, que tem edifícios lindos mas que infelizmente estão a cair.
Não há é pachorra para todo o dramatismo nos telejornais (cá p'ra mim, os media estavam mortinhos por um tema extra para além dos menus de passagem de ano nos hotéis).

1 comentário:

  1. Concordo. Não sou senhoria, mas se fosse gostaria de dar boas condições aos inquilinos, mas ao mesmo tempo rentabilizar o imóvel com rendas ao fim do mês. Não sei porque se enraizou a ideia de que os senhorios têm que ter pena dos seus inquilinos e aceitar não receber rendas anos e anos. Pago bastante de renda, e adoraria pagar menos e gastar o dinheiro noutras coisas, obviamente... Mas também sei que o meu senhorio não comprou a casa onde estou para fazer misericórdias à sociedade...

    ResponderEliminar