quarta-feira, 14 de dezembro de 2011

Não sei se não percebem ou se não querem perceber

Ultimamente tenho andado mais de autocarro do que de metro, o que só por si dava uma rubrica muito mais hilariante do que a "Ouvido no metro" (ou qualquer coisa assim) da Time Out. Acreditem! (Senhores da Time Out, se estiverem a ler isto, troquem o Metro pela Carris e logo verão!) Adiante. Quando viajo a meio da manhã, é comum assitir à troca de turnos dos motoristas, mais ou menos a meio do percurso. Hoje, no entanto, esperámos muito mais do que o habitual, e sem sinal do motorista que deveria entrar ao serviço. Claro que toda a gente começou a refilar, que era uma vergonha, e mimimimi, mas eu pergunto, a culpa era do motorista que estava ali? Acho que lhes dá prazer refilar com as pessoas, às vezes insultar mesmo. Passados alguns minutos, o senhor decidiu continuar o percurso do autocarro e pronto. Mas uma senhora atrás de mim continuou o resto da viagem a dizer "parece impossível, uma pessoa paga e tem de estar à espera, é uma vergonha" e por aí fora... Confesso que estive quase quase a virar-me para trás e dizer qualquer coisa, mas a minha paragem estava quase a chegar e desisti. Não percebo a agressividade gratuita a que se assiste hoje em dia. Enfim.

Sem comentários:

Enviar um comentário