domingo, 30 de outubro de 2011

Como a mudança da hora nos faz pensar na vida

Quando era estudante adorava o dia de mudança da "hora de Verão" para a "hora de Inverno". Era como receber de presente uma hora extra que eu enchia de planos, numa altura do ano onde já havia muita matéria para estudar e o tempo livre era escasso (nunca fui daquelas pessoas para quem a escola ou a faculdade é um passeio). Até pode parecer que uma hora não é nada, mas acreditem que me sabia pela vida poder dormir um bocado mais, ou ver uma série, ou mesmo não fazer nada, sem perder o tempo de estudo que teria em qualquer fim de semana habitual.
Não é que tenha passado muito tempo desde essa altura, por isso a nostalgia que me invadiu hoje surpreendeu-me. Não tenho propriamente saudade desses anos (tudo tem a sua época), acho que tenho mesmo é saudade de reconhecer em mim algumas facetas que tinha altura. Mas como tristezas não pagam dívidas eu tenho é que pensar que também ganhei muitas outras tão ou mais importantes do que aquelas que se foram perdendo no tempo. Bola p'rá frente, A.

sábado, 29 de outubro de 2011

Ahhh, a bela infância

As horas que eu passei a ouvir os Onda Choc! Tinha todas as cassetes (meu deus, cassetes!) e sabia tudo de cor. E ficava sempre com esperança de os ver em algum programa de televisão ou apanhar o último teledisco. Isso e as roupas deles, adorava. Belos anos 90.

sexta-feira, 28 de outubro de 2011

Abriu a época dos Birkenstock *

A mudança de estação só ocorre verdadeiramente quando, para andar por casa, se trocam os chinelos tipo havaianas por uns onde os dedos estão convenientemente resguardados da hipotermia. Chegou portanto o Outono aos meus pés. 



* (achei que dizer "abriu a época das pantufas" não soava tão bem, até porque pantufas daquelas mesmo a sério, com pelo por dentro, só daqui a umas semanas...)

quinta-feira, 27 de outubro de 2011

O que faz falta, é animar a malta

Ahhh, como eu gostava de ter unhas grandes e perfeitinhas como as pessoas crescidas. Mas não tenho. São pequenas e quadradas e por mais que as arranje aguentam uma semaninha com a forma mais bonitinha, mas depois lá voltam ao seu estado natural. Para além disso, não consigo limá-las num só sentido, como consta de todas as bíblias de manicure...não consigo! Demoro séeeeculos e não tenho paciência para isso, portanto, toca de limar nos dois sentidos, facto que acho que as está a enfraquecer. Para me vingar (e modéstia à parte), tenho jeito para pintar unhas, pelo que hoje troquei o meu rosa pálido por um tom escuro, já a condizer com o inverno. Uma pessoa tem de se animar com estas pequenas coisas!

Ainda bem que são poucas...

Numa tentativa de organizar (e minimizar) as minhas despesas com as prendas de Natal, passei para papel a lista que só tinha feito mentalmente. Só que agora não gosto de nada do que tinha pensado e estou sem ideias para alternativas. Em Novembro quero ter tudo tratado, que eu não tenho paciência para o caos que são as lojas em Dezembro...Na na na, já não me apanham nessa.
(imagem daqui)

terça-feira, 25 de outubro de 2011

Uma pessoa percebe que está a ficar velha

quando se lembra perfeitamente do dia em que alguém nasceu e esse alguém faz hoje 18 anos.

Isto não é um fashion blog, eu é que ultimamente tenho muito tempo para window shopping online



(todas daqui)

Quando deixar a contenção financeira, escolho uma delas (decisions, decisions). Ou peço ao Pai Natal. Claro que o meu top continua a ser ocupado pela Gatsby, ilustrada já a seguir. Aceito em qualquer cor, não te acanhes, Santa!



segunda-feira, 24 de outubro de 2011

From Russia with love

Eu sei que isto remete imediatamente para os czares (ou pronto, é o que passa pela minha cabeça, que tem destas associações, podia ser pior...), mas estou mesmo com ideias de arranjar assim uma coisa. Para usar no frio a sério, não é aqui em Lisboa, claro.

sábado, 22 de outubro de 2011

Para quase todos, daqui ao Natal ainda vai toda uma eternidade. Para mim, nem por isso. Por esta altura começo já a pensar nos presentes que vou oferecer, sem pressão, com todo o tempo do mundo para passear pelas lojas, imaginar o que X e Y gostariam mais, etc. Gosto de fazer isto com tempo, de ir fazer outra coisa qualquer e pensar "olha, é mesmo isto", porque gosto imenso de oferecer coisas que tenham de facto a ver com a pessoa em questão e não sejam só "porque sim". Aliás, se eu adoro o Natal (ao ponto de fazer a árvore em Novembro), também me irrita um bocado a hipocrisia da época. Então nos presentes, irrita-me ainda mais. Oferece-se só por oferecer, na maior parte das vezes coisas inúteis (ou então sou eu que tenho azar, também pode ser) e que nada têm a ver com a pessoa. É que eu, sinceramente, prefiro que não me ofereçam nada a abrir um presente em que a primeira coisa que me vem à cabeça é "isto foi comprado em 5 minutos algures entre as compras de mercearia e o jornal diário", e entristece-me. Não significa que os presentes tenham de valer 3 ou 4 dígitos, pelo contrário, o que eu aprecio é sentir que foi pensado, ou pelo menos não foi "despachado" só porque é suposto oferecer alguma coisa. É que não é suposto, pelo menos para mim. Desejem-me só um feliz Natal, ou enviem um cartão, que eu adoro cartões de Natal e sempre é mais um "pensei em ti". Mas enfim, eu já tinha idade para ter juízo e não ligar a estas coisas, não é verdade?

sexta-feira, 21 de outubro de 2011

quarta-feira, 19 de outubro de 2011

domingo, 16 de outubro de 2011

Não paga imposto, não dói nada e ajuda muita gente

Nos dias 16, 17 e 18 de Dezembro a Comunidade Vida e Paz vai organizar uma festa de Natal para os sem-abrigo. Não só será distribuída uma refeição quente, como será possível aos convidados tomarem um banho e escolherem algumas peças de roupa. Existem várias áreas nas quais podem participar, vejam aqui http://voluntario.cvidaepaz.pt/Bemvindo

Ah, e se não puderem passar por lá, tenho a certeza que donativos serão muito bem recebidos (sejam monetários ou em géneros, como roupa, ou alimentos). Por muito pequeno que seja, todos podemos fazer a diferença.

sexta-feira, 14 de outubro de 2011

quinta-feira, 13 de outubro de 2011

Sempre que ouço o Passos Coelho e todas as análises políticas que lhe sucedem só me dá (ainda) mais vontade de agarrar nas malinhas e emigrar. Diz que sim, que é egoísmo e devíamos todos trabalhar para levantar o país e sair deste buraco onde nos enfiaram, mas para além da crise (que agora dá para tudo) pesa ainda o facto de tudo aquilo que gosto mesmo de fazer não ter lugar aqui. Em contrapartida esperam-me imensas oportunidades lá fora, não por lá fora ser melhor, apenas por ser diferente. Eu gosto muito do meu país mas primeiro que tudo está a minha felicidade. Por isso, não me venham cá dizer que estou a desertar e que devia ficar aqui a aguentar o barco, porque eu só nasci aqui, não tenho um contrato para a vida. Irrita-me que me digam "ah, se toda a gente pensasse como tu, não ficava cá ninguém". Pois cada um sabe de si. Eu cá, vou, mas acreditem que vou ter muitas saudades. E tivesse eu o que tenho noutro país ficaria de bom grado no meu. Porque, para mim, não há melhor sítio para viver.

terça-feira, 11 de outubro de 2011

Contenção de despesas sucks

Eu adoro sabrinas. Por mim tinha um par de cada das Pretty Ballerinas, mas o orçamento actualmente não me permite grandes devaneios. Ficam as imagens.



Como se não fosse suficiente, eu também gosto de malas...e trapos...e relógios..e brincos...e livros...e viagens...e tudo. É uma pena não ser mulher de um vício só.

domingo, 9 de outubro de 2011

Uma semana, duas malas

Foram 6 dias e um stress imenso. Isto de ir, voltar, desfazer mala, fazer mala e voltar a sair, não sendo em férias, não tem lá muita piada, não. Eu preciso mesmo é de sopas e descanso.

domingo, 2 de outubro de 2011

Realmente, nunca se está satisfeito

Hoje cheira-me a Verão! E não digo isto no sentido metafórico da coisa, cheira-me mesmo a Verão, aquele cheiro a quente e...a Verão, pronto, não sei explicar, não é tão simples como dizer que o Outono cheira a castanhas assadas ou o Inverno cheira a lareira. Não gosto do prologamento das estações, gosto de tudo a seu tempo. Já estou sem imaginação para as roupas de Verão, já não tenho vontade de ir à praia e sobretudo já não tenho paciência para ficar cheia de calor por andar 10 minutinhos na rua, que isto de andar de calções e havaianas é muito bonito mas para ir a banhos e pouco mais (eu sofro muito com o calor, a não ser que esteja de bikini, dentro de água!). Além disso, quem é que vai estrear aquelas botas de inverno que comprei, hm? Não há condições!