sábado, 31 de dezembro de 2011

sexta-feira, 30 de dezembro de 2011

O ano em revista

Argh, eu odeio as revistas do ano que se fazem na televisão. É a política, a economia, o futebol, o desporto em geral, etc etc, sempre com uma musiquinha de fundo bem deprimente (a mim deprime-me, pelo menos). Mas acho uma certa graça ver o que foi conseguido em mais um ano de calendário na minha lista de objectivos pessoais, por isso aqui vai, sem musiquinha.

No lado mais material, tenho que salientar que viajei mais do que em 2010 e por isso vou pôr um grande CHECK neste campo. Também recebi mais prendinhas boas do que no ano anterior, o que me deixou bastante feliz (uma pessoa gosta destes miminhos, ok?). Jantei fora muitas vezes nos meus sítios preferidos (amêijoas, sushi, indiano, pizza,... you name it). Li vários livros que mantinha na minha lista (hurrays!) e comprei outros tantos que agora passam para 2012. Aprendi uma nova língua, consolidei outra e já estou a pensar numa terceira para o ano que aí vem. Conheci melhor duas pessoas e ganhei duas amigas, voltei a falar com uma amiga de infância e acho que não perdi nenhuma amizade pelo caminho.
2011 foi um ano de altos e baixos. É algo doloroso olhar para trás e perceber que desperdicei metade do ano numa rotina "embrutecedora" que me retirou alguma alegria e certamente muitas oportunidades de crescimento. Mas como se costuma dizer, é nos momentos menos bons que se passa a dar mais valor ao que realmente importa (pode ser cliché mas é tão verdade). Assim nasceu a minha certeza acerca do que quero fazer no futuro, aquele "o que quero ser quando for grande" que nos perguntam quando somos pequeninos. É certo que tive o meu mau momento, mas é muito bom descobrir finalmente o nosso lugar e ver o nosso esforço recompensado. E só por causa disso, 2011 foi um ano genial. Sobretudo porque passei a valorizar ainda mais o que vou atingir em 2012.

quinta-feira, 29 de dezembro de 2011

A polémica das rendas

Não se fala de outra coisa na televisão a não ser da nova lei do arrendamento. Se por um lado percebo a preocupação de quem diz que isto vai sobrecarregar algumas famílias que já não podem suportar encargos adicionais, também consigo ver como rendas de 15 e 20 euros são ... ridículas. Eu não percebo nada disto de rendas e propriedades e afins, mas a minha (modesta) ideia é que se criou um ciclo vicioso de rendas baixas-falta de obras-prédios degradados-rendas baixas. E esta actualização já era precisa há muito tempo. É isso e o incumprimento por parte dos inquilinos ser mais rapidamente punível - que o tempo (e dinheiro!) que se gastavam a expulsar de NOSSA casa pessoas que lá permaneciam ANOS sem pagar um tostão era incompreensível à luz de qualquer justiça. Que isto é tudo muito bonito, mas as pessoas estão a usufruir do nosso imóvel, convém que paguem a renda no final do mês, não é verdade? Os outros, com empréstimo, também pagam ao banco, não há cá Santas Casas da Misericórdia (não desvalorizando o papel social que estas desempenham). Claro que espero que haja bom senso em todo este processo, meaning que haja uma real adequação das rendas às realidades e às necessidades. Sobretudo, também gostava muito que se reabilitassem as zonas mais antigas das cidades, como aqui em Lisboa, que tem edifícios lindos mas que infelizmente estão a cair.
Não há é pachorra para todo o dramatismo nos telejornais (cá p'ra mim, os media estavam mortinhos por um tema extra para além dos menus de passagem de ano nos hotéis).

A passagem de ano

Já fui grande fã da data e já acreditei piamente que a ocasião merecia um outfit a rigor, agora não sei se estou velha (em espírito, senhores, em espírito) mas um jantarinho com amigos e uma noite a jogar às cartas (alimentar o gambler que há mim) parecem-me o plano perfeito. Só continuo a gostar de vestir um outfit todo catita. Isso e dizer outfit e catita.

quarta-feira, 28 de dezembro de 2011

O balanço das compras

Os saldos ainda agora começaram e para mim já acabaram. Tirei uma tarde, forrei-me de paciência e fui ao Corte Inglês, que assim comássim ainda é dos menos maus na formação de pilhas de roupa em mesas e expositores. Como sempre, toda a gente teve a mesma ideia que eu, pois claro, mas esteve-se bem melhor do que nas filas para experimentar que já tive noutras lojas em época de descontos natalícios. Adiante.
Primeiro que tudo, estou muito orgulhosa do meu bom senso, visto que deixei lá imensas coisas que gostava de ter trazido (como um blazer de veludo azul e uns quantos vestidos de marcas diversas - Pai Natal, posso meter-te uma cunha para os Reis Magos?). Ainda suspirei nos casacos Karen Miller e Burberry mas aí é outro campeonato totalmente diferente e nem havia mesmo a hipótese real de os trazer comigo (o que é uma pena). Nos sacos vieram comigo uns ténis de pele da Converse, óptimos para o muito turismo que penso fazer em 2012, um casaco de malha com brilho dourado que pensava adquirir há algum tempo sem no entanto ter encontrado um que me "enchesse as medidas" e umas peças da secção de roupa interior que já estavam na minha wishlist para estes saldos (esta secção no Corte Inglês é a minha perdição).
Pontos negativos... Não encontrei nada na parte de desporto que gostasse (vou ter que deixar isso para uma próxima visita ao Chiado) e infelizmente não consegui encontrar um casaco de malha preto com qualidade (nem caros nem baratos, nenhum me pareceu minimamente bonzinho sem ter o aspecto de ficar branco depois de usado 2 vezes...se calhar sou muito esquisita).
E pronto, estou oficialmente em modo troika durante um mês. Só abro excepções se encontrar alguma peça que constava da minha lista e que não encontrei hoje. E mesmo assim, é só porque me fazem falta.

Ano novo...vida nova

Ainda não chegou 2012 mas já sei muitas das mudanças que ele vai trazer. A primeira e a mais marcante é a mudança de país. Tão cedo não me parece que volte a Portugal sem ser em férias ou ocasiões especiais. Não tenho planos de ficar a longo prazo neste meu novo destino mas seguramente que não vou regressar à pátria para trabalhar nos tempos mais próximos. Conto ganhar experiência e construir uma vida além fronteiras. Se tenho pena de deixar tudo isto para trás? Alguma, sim. Ainda não fui embora e já tenho saudades deste cantinho à beira-mar, já tenho pena que os meus filhos (que ainda não tenho) não frequentem uma escola onde falem português, já me faz falta o azul do céu e o cheiro das castanhas no Chiado. Sou uma pessoa lamechas, eu sei. E já estou a pensar tão à frente que chega a ser um exagero. Mas eu sou assim, uma drama queen. Seja como for, sinto-me como a canção do Sérgio Godinho, "hoje é o primeiro dia do resto da tua vida". E é isso mesmo, uma oportunidade fantástica de "dar o salto", de aprender imenso e sentir-me finalmente realizada. Sinto-me com o mundo inteiro na minha mão.

terça-feira, 27 de dezembro de 2011

Os saldos aí à porta

É impressão minha ou os saldos nunca começaram tão cedo como este ano? 28 de Dezembro? Não me lembro deste record (mas a idade já não é o que era, portanto não ponho as mãos no fogo)! Hoje fiz um breve reconhecimento pela Zara, naquela de saber o que há e o que me pode interessar, mas verdade seja dita que não é loja que me atraia nesta altura (muita confusão e muita luta para aquilo que é). Aliás, hoje até trouxe uma saia que ainda não tinha experimentado mas que tinha muita vontade de trazer comigo (não arrisquei entrar na histeria do mulherio pelos descontos do sr.Inditex). Para além disso, a minha lista inclui sobretudo coisas utilitárias como meias, collants e artigos de desporto (tudo é desculpa para motivar o exercício). E pronto, depois disto estou muito tentada a aderir àquele movimento sem compras, mas um mês de cada vez (nada daqueles prazos de 6 meses ou um ano!) que eu sou uma pessoa fraca perante o consumismo.

segunda-feira, 26 de dezembro de 2011

O Natal veio e foi...

e não comi nem um Ferrero Rocher! O único "doce" da época que me encanta verdadeiramente (ao jeito do azeite Gallo) desde 1987. No Ano Novo não falha!

O Pai Natal foi amigo

(Furla)

(Michael Kors)

Gosto tanto deles que tive de postar aqui no blog (sou como as crianças!). De mim para mim ofereci ainda uns sapatos muuuuuuuito confortáveis e uns óculos de sol (baratinhos!).

sábado, 24 de dezembro de 2011

É Natal, é Natal

Pronto, entrei em estágio para o Natal! 2 dias na boa vida, com poucos doces (não morro de amores por sonhos, filhoses e companhia) mas muitas prendas (esquecer a crise e o défice e tudo isso pelo menos durante este fim de semana). A todos os que passam por aqui (sim, vocês, as duas pessoas e meia :P), um Natal muito feliz.

sexta-feira, 23 de dezembro de 2011

As coisas surreais que me acontecem

Hoje fui tratar de umas coisas que tinha pendentes e decidi voltar de táxi para casa. Assim sendo, dirigi-me à praça de táxis e, como habitual, abri a porta do primeiro táxi da fila, espreitei, e esperei pelo habitual "boa tarde" ou "faça favor" ou qualquer equivalente do género. Em vez disso ouço um "já não se bate à porta?". Hmmm, espera lá, se calhar este senhor é daqueles taxistas que acham piada dizer umas gracinhas às clientes (been there.).
- "Desculpe?"
- "Sim, já não se bate à porta? Uma pessoa está aqui ao telefone!".
- "Ah, mas vai sair para uma chamada, é isso?"
- "Não, não, mas estou ao telefone, não vê?"
- "Er... mas não está de serviço?"
- "Sim, mas isto não é assim, estou aqui a tratar das minhas coisas....mimimimimi" (por esta altura deixei de ouvir, confesso)
Silêncio da minha parte.
- "Mas já que aqui está, entre lá, não é?"
Fiquei pasma. "Já que aqui está"??? Mas espera lá, ele ia fazer-me algum favor?
- "Pois, desculpe, mas assim sendo não vou entrar, é que tantas más energias não fazem nada bem no Natal."
E apanhei o táxi que estava atrás. Fiquei mesmo incomodada com esta atitude! E depois, não sou daquelas pessoas que consegue esquecer passados 5 minutos, não, consigo chatear-me ainda mais algum tempo, o que é péssimo para mim, claro.

quinta-feira, 22 de dezembro de 2011

O mundo...ao contrário?

Faz-me alguma espécie esta moda de usar o relógio no pulso direito. Claro que cada um usa onde lhe dá mais jeito, mas como pessoa dextra não me dá jeitinho nenhum usá-lo no lado da mão com que escrevo. E sim, eu sei que hoje em dia já toda escreve no computador, mas há sempre qualquer coisa que tenho de anotar e 12+5 anos de escola deixaram os seus hábitos (já tive o relógio no braço direito porque tinha uma ferida no outro e sempre que me perguntavam as horas eu olhava para o pulso esquerdo). Tudo isto para contar que há uns dias fui experimentar um relógio e a senhora da loja preparava-se para me colocar o relógio no lado direito. Mas isto já é assim tão normal? Pronto, eu sou uma pessoa old fashioned e totalmente ao contrário do mundo, está visto.

quarta-feira, 21 de dezembro de 2011

Pronto, pirei de vez

Nunca pensei, mas gosto mesmo destes sapatos (sim, eu sei, estou em total mood de sapatos e botas e botins e afins). Estou tentada a comprar uns online pela primeira vez...






Tudo da Nelly, site recomendado pela Maria (que eu sou uma inculta nestas coisas).

Abateu-se sobre mim um impulso consumista












Eu preciso mesmo de comprar umas botas pretas, e lembrei-me de visitar o site da Fly London em busca do par ideal. Pois, fiz muito mal, é o que vos digo!  Fiquei com uma lista enorme de sapatos que gostava de comprar! Os ténis, então, se os vir numa loja de perto de mim acho que os vou trazer comigo, que eu portei-me muito bem este ano ;)

Constatações

A blogosfera é como o high school americano. Temos o grupo dos populares, com o pessoal que toda a gente admira e de quem quer ser bff, os que fazem de tudo para serem fixes, os alternativos que fazem questão de se manter totalmente anti em relação ao primeiro grupo, os que só querem manter-se invisíveis e aproveitar o anonimato da internet, os que fazem a vidinha deles sem entrarem em rivalidade de grupinhos, e os que vivem tão a leste que nem sequer repararam nesta hierarquia invisível que divide a blogosfera. Isto era capaz de dar um estudo sociológico interessante.
O meu blog é tão pequenino que passa ao lado dos anónimos maldosos (olha que bem!), mas não tenho paciência para algumas guerrinhas a que vou assistindo por aí. Não gosto dos blogs "anti" que geralmente rotulam de "fútil" todo e qualquer blogger que fale/goste/trabalhe em moda. Também não gosto dos que se acham donos da verdade e com uma opinião mais válida do que todos os outros. E todos aqueles que se querem colar ao trabalho que outros fazem. E por isso mesmo, não os visito. Há espaço para todos, e tal como no mundo "real" só temos que escolher quem nos rodeia, porque não vale de todo a pena gastar energia e boa disposição com o que não  gostamos, não é?

terça-feira, 20 de dezembro de 2011

Não tenho remédio...

Ando outra vez a mexer pouco o rabo, que é como quem diz ando outra vez a baldar-me ao ginásio e às corridinhas e à musculação. Não que o Natal seja uma época má para mim (não gosto dos doces da época, uma sorte) mas a celulite não perdoa, por isso fica aqui prometido, para toda a gente ver, que amanhã vou vestir o fato de treino e vou "abater as banhas". Não sei o que hei-de fazer para criar e enraizar este hábito... Tenho sempre a sesanção que vou ao ginásio/faço desporto por fases: ando semanas a fazer tudo direitinho, consigo ir à hora estipulada, tudo fantástico, e depois passo outras tantas (ou mais) semanas em que parece que tenho 50 mil compromissos que me fazem pôr de lado a ginástica. O que eu gostava mesmo era de ser como aquelas pessoas que parecem povoar o meu ginásio e que estão lá batidas todos os dias, muitas vezes mais do que uma vez por dia. Haverá algum comprimido que se possa tomar para isso?

Desejos consumistas (versão Sephora)

Sunbasque da MAC

The Porefessional, da Benefit



Boiing, também da Benefit


A adquirir numa futura promoção da loja.

segunda-feira, 19 de dezembro de 2011

Mudança de visual

Depois de ter cortado o cabelo assim, a direito, e ele já estar um pouco comprido


Estou indecisa se o corto um pouco mais, dentro do género


ou se vou escadeá-lo, regressando "à base".


Tudo muito semelhante, eu sei. Não estou virada para mudanças drásticas assim tão perto do Natal!

Clássicos musicais

Esta música soa-me sempre a esperança. E adoro a versão do Glee.



"I had to let it happen, I had to change
Couldn't stay all my life down at heel
Looking out of the window, staying out of the sun."

mais uma a juntar às coisas que não percebo

Desde a minha adolescência que me mantenho na ignorância acerca do que faz uma pessoa sair para beber até ao ponto em que não se lembra da noite que teve. "Ah, é coisa de miúdos" dizem vocês. Pois, mas não é. É um plano que ouço com muita frequência. O que é fixe é sair, beber muitos copos, ficar super zonzo, não conseguir andar a direito e "curtir". E os comentários na noite seguinte? "Txiii, tu já estavas lindo", "epá, foi tão fixe, não foi?", "temos que combinar outra noite destas". Desculpem, mas não percebo. Também por isso não gosto do Bairro Alto, onde o objectivo é apenas beber uns (muitos) copos e pronto. Eu sou (era) mais adepta de sair para dançar, mas não tenho tido companhia para isso, portanto acho que me desabituei de sair à noite. Longe vão os meus 16 anos e o tempo em que saía todas as semanas para dançar até às tantas. A idade é tramada! (piadinha)

domingo, 18 de dezembro de 2011

Christmas happened

Andei fora da blogosfera porque estive por aqui, a trabalhar

http://sicnoticias.sapo.pt/pais/2011/12/17/comunidade-vida-e-paz-recebe-mais-25-de-carenciados-so-no-primeiro-dia-da-festa-de-natal

Tenho de pôr as minhas leituras "blogosféricas" em dia, o que só deverá acontecer quando estiver em paz e sossego em casa, lá para amanhã. Pela frente ainda tenho uma despedida de solteira... Até parece que a minha vida social é intensa, pois...não! Só que foi tudo marcado para estes dias. Acho que segunda-feira vou passar o dia no sofá a ver séries para recarregar baterias!

quinta-feira, 15 de dezembro de 2011

Este blog anda fashionista

Hoje aproveitei a hora de almoço para ir à Massimo Dutti e gozar os descontos exclusivos para clientes. Pensei eu, na minha ingenuidade, que ninguém estaria lá às 14h30, mas enganei-me redondamente! A fila para pagar chegava à porta (nunca tinha visto!), as filas para experimentar eram enormes e a loja estava...como a Zara na época de saldos, tudo revirado, com montanhas de roupa tipo feira de Carcavelos, o caos. Eu que andava à espera desta altura (eu e pelos vistos muito boa gente) para comprar os artigos que mantinha na minha wishlist mental lá me enchi de paciência (o facto de não ter nada para fazer também ajudou). Infelizmente, já não tinham estas botas


pelo que a saga das botas pretas continua (as minhas estão quase a desfazer-se). Comigo, trouxe umas quantas malhas que mantinha na minha lista e deixei as calças de ganga (que não estavam com promoção) para uma altura em que a loja esteja mais calma. Os items de festa não estavam incluídos nos descontos, por isso deixei para depois esta camisola, que ainda não experimentei (às tantas odeio). Se gostar, ainda a ofereço de mim para mim no Natal ;)


Mais do que fútil, dói mesmo!

Tenho as unhas a lascar! Nunca tal me aconteceu e agora, pimbas, partem-se por tudo e por nada e ficam com falhas e sei lá mais o quê. Para minimizar possíveis estragos, como o que já me aconteceu (parti uma unha ao meio!), agarrei no corta unhas (que horror) e vai de as cortar bem pequeninas para não se tentarem suicidar. Já comprei um fortalecedor de unhas, vamos lá ver se aquilo resulta mesmo. Entretanto acho que me vou manter afastada de vernizes e afins. Bah.

quarta-feira, 14 de dezembro de 2011

Já que todo o mundo fala no anúncio da Triumph

Antes de mais, não gosto muito da campanha. Não por elas serem magras, gordas ou assim-assim mas porque esta fotografia está particularmente estranha (já vi outras, contudo, que estão engraçadas).

Acho que é a mistura das caras (que expressões, meu deus!), o corpo brilhante (que nunca percebi porque raio acham isto sexy) e o próprio tratamento da imagem. Não que conheça nenhuma das modelos ao vivo, mas do que vejo naquelas revistas de "cultura geral" quando vou cortar o cabelo, algumas delas são mulheres interessantes e que aqui estão simplesmente...estranhas.
Agora a questão da magreza, que é um tema que me diz muito. Sempre fui muito magra e sempre recebi comentários de "ah, é tão magrinha, podia comer mais um bocadinho". Podem pensar que é simpático, que ser magro é fixe e isso, mas os comentários acerca da anorexia, os "é tão magrinha que se podem ver os ossos todos", ou ainda os "se comesse mais paozinho ia ver como ficava cheiinha" (sim, com estes "inho" todos) não são nada fixes. Não caem bem. Sobretudo, não cai bem ler por essa blogosfera fora que ser magro não é sexy, que só as curvas é que são sexys, que quem é magro passa fome todo o dia, que não há pessoas assim, e mimimimi por aí fora. Cansa. Magoa, até. E eu percebo que a moda lança uma série de estereótipos que não são minimamente atingíveis, percebo que as pessoas se tentem rever em objectivos inalcansáveis e que isso seja frustrante. Percebo que isso possa levar a distúrbios alimentares. O que eu não posso perceber é que se generalize, como já li em muitos textos, que as magras são enjoadinhas, pálidas e sem graça, e que basicamente, não são mulheres normais, porque as mulheres normais são cheiinhas, já as magras, essas parvas, só bebem água e comem uma maçã e por isso são pessoas infelizes. Eu só queria dizer que como normalmente, tenho os valores das análises normais e não sofro de nenhum distúrbio alimentar. Também não sou infeliz, apesar de me queixar muito neste blog, mas isso sou eu que sou drama queen e me irrito com várias coisas (como a Carris, por exemplo). Ah, também não sou enjoadinha, apesar de alguns cheiros me deixarem mal disposta (tenho um olfacto sensível). E já agora, quero acreditar que também consigo ser sexy, seja com que roupa for. E pronto, era só mesmo isto que queria dizer acerca do assunto.

Não sei se não percebem ou se não querem perceber

Ultimamente tenho andado mais de autocarro do que de metro, o que só por si dava uma rubrica muito mais hilariante do que a "Ouvido no metro" (ou qualquer coisa assim) da Time Out. Acreditem! (Senhores da Time Out, se estiverem a ler isto, troquem o Metro pela Carris e logo verão!) Adiante. Quando viajo a meio da manhã, é comum assitir à troca de turnos dos motoristas, mais ou menos a meio do percurso. Hoje, no entanto, esperámos muito mais do que o habitual, e sem sinal do motorista que deveria entrar ao serviço. Claro que toda a gente começou a refilar, que era uma vergonha, e mimimimi, mas eu pergunto, a culpa era do motorista que estava ali? Acho que lhes dá prazer refilar com as pessoas, às vezes insultar mesmo. Passados alguns minutos, o senhor decidiu continuar o percurso do autocarro e pronto. Mas uma senhora atrás de mim continuou o resto da viagem a dizer "parece impossível, uma pessoa paga e tem de estar à espera, é uma vergonha" e por aí fora... Confesso que estive quase quase a virar-me para trás e dizer qualquer coisa, mas a minha paragem estava quase a chegar e desisti. Não percebo a agressividade gratuita a que se assiste hoje em dia. Enfim.

terça-feira, 13 de dezembro de 2011

Antes que venham as festividades

Tenho de arrumar urgentemente o meu roupeiro. Tirar o que não uso há mais de um ano (sempre com aquela desculpa "ahhhh, mas quem sabe se um dia ainda não vou vestir isto"), organizar por categorias (sou um bocado obsessiva com estas coisas, admito), enfim, trazer alguma ordem àquele caos. Isto é coisa para me dar umas 2 ou 3 vezes por ano, nem sempre com muito sucesso na parte de retirar coisas que já não uso. Não me parece é que o vá fazer hoje, é que os planetas não estão alinhados para tal (piadinha)!

segunda-feira, 12 de dezembro de 2011

Sei o que vês na TV

Confesso aqui publicamente que gosto de ver o "Say yes to the dress". É isso e o "What not to wear". E dá tudo de seguida no TLC, canal que alimenta o meu lado pirosão e consumidor deste género de programas.

domingo, 11 de dezembro de 2011

Isto de ir de viagem é muito bonito, mas chegar a casa e ter de arrumar a tralha toda (por muito ou pouco que seja) é uma seca. Lembro-me sempre daquelas cenas nas telenovelas onde elas deitam as coisas para dentro da mala e cabe sempre tudo, sem stress, e quando chegam não há cá arrumações para ninguém, tudo aparece miracolosamente no seu lugar. A Globo andou a povoar a minha infância com expectativas totalmente irrealistas do mundo.

Se eu pudesse tinha todas (ou "como escrever o post mais fútil de sempre")

De tantas montras fantásticas, cheias de coisas que não vou comprar, venho particularmente inspirada pelas carteiras.



E a crème de la crème...


É só obviamente o problema de escolher a cor!


Back in business

Já cá estou outra vez, que isto da boa vida não dura muito tempo. Mas já ando a fazer a minha lista mental de mais viagens para 2012 (tem que se manter o ânimo sempre que se regressa a casa...).

quarta-feira, 7 de dezembro de 2011

Adoro viajar no inverno

e nada melhor do que fechar a época de viagens 2011 com um saltinho ao país dos chocolates e dos relógios!




terça-feira, 6 de dezembro de 2011

Aquisições fundamentais

Com as promoções que houve em grande parte das lojas que gosto acabei por comprar o essencial que precisava: casaco, roupa interior, malhas e carteira. Resta-me agora comprar meias (sim, meias!), uns quantos collants de cores variadas e um kispo bem quentinho, ao género de abominável mulher das neves.

Tenho portanto uma lista muito pouco fashion e sem qualquer glamour.





segunda-feira, 5 de dezembro de 2011

Um ano depois

Por mais voltas que a vida dê, há caminhos que serão sempre nossos. É isso que sinto quando por qualquer razão me cruzo com o percurso que fazia para a universidade. Aliás, se não desligar o "piloto automático" dou por mim a seguir esse mesmo caminho, sem sequer pensar. Percorro as mesmas ruas, atravesso o jardim, e depois reparo "espera lá, não é para aqui". Não é propriamente saudosismo, até porque eu ainda me lembro muito bem de pensar que o melhor dia seria o último (que a vida de estudante nunca me pareceu o mar de rosas que toda a gente me tentava fazer crer que era!). Acho que é apenas um carinho especial por aquela casa que foi a minha durante 5 anos, que me transformou (e de que maneira!), que me fez duvidar de mim como até então nunca tinha duvidado, mas que também me deu outras capacidades. Nela ganhei amigos para a vida, chorei de desespero, saltei de alegria, pensei "não sou capaz", superei-me, venci alguns medos, sofri grandes desilusões, revoltei-me com injustiças, conheci pessoas extraordinárias, tive oportunidades únicas, passei horas a jogar à sueca (sou uma profissional), aprendi imenso.

Vai fazer um ano que acabei a universidade. Desde então, voltei lá algumas vezes mas já não me sinto parte dela. Ela, contudo, será sempre parte de mim.

domingo, 4 de dezembro de 2011

Cinema

Depois de já não ir ao cinema praí desde O Discurso do Rei e Black Swan, este fim de semana "tirei a barriga de misérias" e fui logo ver dois.

A criança que há em mim não pôde perder O Gato das Botas. O António Banderas e o seu sotaque spanglish fazem realmente toda a diferença nesta personagem! Foi engraçado qb, mas esperava qualquer coisinha mais, não sei bem o quê...

Depois, numa versão mais culta (cof cof cof), fui ver Um Método Perigoso.

A Keira fez um papel impressionante e achei o filme muito bem conseguido. Recomendo a todos os interessados pelo tema (psicanálise, Freud, doenças mentais).

O meu preferido? O Gato das Botas! Acho que são aqueles olhos, ahahahah!

sábado, 3 de dezembro de 2011

Wishlist - já que toda a gente tem a sua


(Calvin Klein)



(Viena)


(Nova Iorque)


(Budapeste)

Acrescentaria aqui muito mais viagens, mas temos de começar por algum lado.

Intimissimi

A Intimissimi é o demo! Com as promoções que já teve, acabei por comprar os conjuntos que tinha na minha lista de "coisas a comprar nos saldos". E estou super contente com as aquisições, assim vale a pena!

sexta-feira, 2 de dezembro de 2011

quinta-feira, 1 de dezembro de 2011

terça-feira, 29 de novembro de 2011

O fim do primeiro acto

Hoje pegaram no meu alento, rasgaram-no em pedacinhos pequeninos e atiraram-no com desprezo, como se me dissessem "estás a ver? acreditar para quê?". Eu ainda estive aqui um bocado a olhar para o cursor, à procura daquela palavra que descreve o que estou a sentir, mas depois descobri que ... não sinto nada, estou apenas entorpecida.

Ahhh, o bom humor

Há certos anúncios que deviam ser vistos over and over pelas pessoas que os fizeram. Para perceberem como se tornam irritantes ao fim de 2 ou 3 vezes.

segunda-feira, 28 de novembro de 2011

Há coisas que não valem a pena

Há pessoas com quem não simpatizo pelos valores que praticam, os mesmos que chocam com o que considero serem "boas práticas em sociedade", como aquela coisa a que alguns chamam de moral. Não é que me tenham feito nada a mim, directamente, mas algumas atitudes dão-me volta ao estômago, é mais isso. No entanto, quando essas mesmas pessoas vieram ter comigo para utilizarem o meu trabalho como inspiração para o delas, acabei por aceder. Primeiro pensei "espera lá, por que raio hei-de facilitar a vida a quem leva a sua a subir à custa dos outros?", mas depois reconsiderei. Não gosto desta espécie de "vingança", não me assiste. Se calhar sou parva mas prefiro dormir descansada à noite e sem "más energias".

sexta-feira, 25 de novembro de 2011

Sei que me vou arrepender de escrever isto

Mas hoje dei por mim a pensar que de facto suporto muito melhor o frio do que o calor. Para não tentar o Universo, apresso-me a quantificar este suportar melhor: prefiro um dia na cidade com -2º em vez de 36º (notem a proximidade com os 40º, não vão pensar que eu prefiro usar casacos michelin em vez de um belo top de alças). É só que muito calor incomoda-me, a roupa fica toda colada, e depois de andar 100 m parece que andei a correr a maratona. Calor daquele à séria só mesmo esparramada numa toalha de praia. 

quinta-feira, 24 de novembro de 2011

à minha maneira (ou um post para corajosos)

Desde que me lembro de ser gente que mantenho caderninhos onde fui escrevendo de tudo um pouco. Primeiro foi o diário, que teve vários volumes, onde relatava pacientemente o meu dia e as minhas observações, provavelmente comuns a 90% dos diários escritos por outras meninas com a mesma idade e que teriam a mesma letra redondinha saída de uma qualquer caneta de cor com cheiro a morango. Depois veio a fase de recolha de citações e poemas de escritores de quem me tornei fã até que eu própria enveredei pelo caminho da poesia (de qualidade muito duvidosa, diga-se). Mais tarde (re)descobri a prosa. Passei a escrever pequenos textos onde falava de quase tudo mas sobretudo das minhas inquietações. Primeiro em papel, depois no computador, permaneceram guardados de olhares indiscretos e foram apenas meus. Um dia surgiu a ideia de criar um blog. Hesitei, mas passado algum tempo decidi avançar e partilhar o meu caderno com o mundo (ou pelo menos com aqueles que falam português). Descobri, no entanto, que partilhar os textos que mantinha na gaveta não era tão fácil assim, mesmo por detrás do anonimato de um nick. Ao mesmo tempo, percebi que só tinha verdadeira inspiração para escrever quando estava triste, o que tornaria este blog (ainda mais) um autêntico muro das lamentações, ali a roçar o deprimente. Por isso, e apesar de muitos textos mais derrotistas escaparem à inquisição (leia-se, ao meu bom senso) e serem lançados num post, este blog tem sido o meu escape às preocupações mais recônditas que vivem nesta cabeça. E dou por mim a falar de trapos, e das pessoas que encontro na rua, e a refilar com o trânsito ou com os senhores do metro. E gosto disso, desta escrita diferente da que mantive até aqui. Gosto de ter este cantinho na blogosfera, por onde muitas vezes nem meia dúzia de pessoas passa, mas que é meu. Longe das polémicas e dos diz-que-disse e intrigas e tudo o mais que assola muitos blogues por aí. Gosto da blogosfera no seu estado mais puro, onde cada um empresta o seu caderno para quem quiser perder 5 minutos do seu dia a ler as considerações alheias. E gosto quando do lado de lá há alguém que diz qualquer coisa, porque é isso que torna a blogosfera mais interessante do que um diário, que não nos responde. E estou mesmo surpreendida por ter 12 pessoas que se registaram ali ao lado para lerem o meu caderno de notas. Bem sei que os que leram até aqui estão agora a abanar a cabeça e pensar "pfff, 12? ridículo", mas para mim é apenas surpreendente. E quase que fico a pensar que lhes devia dar qualquer coisa mais decente para lerem. Os meus cadernos em papel? Continuam a existir. E a ter textos novos, que não publico aqui. Talvez um dia lhes tire o cadeado.


(Uff! isto ficou enorme!)

quarta-feira, 23 de novembro de 2011

Um dia destes ainda peço uma comissão à Carris

Eu sou daquelas pessoas a quem as velhotas perguntam "ó menina, este autocarro passa em Sete Rios?", "onde é paragem do 31?" ou qualquer outra pergunta do género. Mas quem diz velhotas, diz toda e qualquer pessoa que não lê os panfletos da Carris afixados nas paragens com o percurso de cada autocarro e que por mais gente que haja à espera de um qualquer transporte, é a mim que escolhe para perguntar. Sou por isso um íman de pessoas em busca de informação, nada a fazer. Hoje, no entanto, uma velhota continuou a conversa para além da pergunta inicial. Eu não trazia o meu livro habitual, ou o ipod (onde tenho o hábito geek de ouvir vocabulário noutra língua - sim, uma aula em áudio), por isso fiquei ali a falar com a senhora e a pensar como realmente não custa nada ser simpático para outra pessoa. Ainda por cima uma senhora tão querida como aquela.

Frio, mas com estilo

Se há coisa que eu gosto mesmo é de acessórios de inverno. Luvas, cachecóis, gorros, chapéus...tudo! Numa das minhas incursões pelo site da Accessorize, encontrei estes. 





Para terminar, a criança que há em mim adora estes:



Ando mesmo com ideias de comprar uns earmuffs. Giros, baratos (não é propriamente o caso da Accessorize) e que não "apertem" muito a cabeça (sou uma moça muito sensível). Sugestões, é só dizerem!

terça-feira, 22 de novembro de 2011

O mundo está perdido

Então o Berlusconi escreveu umas canções de amor e as mesmas foram lançadas em CD? Muito me contam, muito me contam...

comunicado fashionista (cof cof cof)

Tenho a informar à comunidade blogosférica que por aqui passa (as duas pessoas inteirinhas que lêem as parvoíces que aqui escrevo) que conheci finalmente a Primark! Agora já sou uma blogger a sério (quase, vá)! Pois bem, não saí de lá com grande impressão. Os tecidos não são grande coisa, é tudo muito ao género de feira, mas num espaço fechado. Já sei que pelo preço não se pode pedir muito, mas não achei que tivesse por lá os achados de que tanta gente fala nos blogs. Contudo, e como sou uma pessoa muito "caseira", adorei a secção de pantufas e pijamas e afins! Oh, a maravilha, mesmo!
Não pensem no entanto que saí de lá de mãos a abanar, pois não. Comprei um vestido todo catita, muito ao estilo anos 60, que eu sou uma pessoa cota (ah, perdão, clássica). E claro que trouxe um par de pantufas, ao género UGG (fãs das ditas, perdoem-me a comparação). E prontos, era só mesmo isto. 

domingo, 20 de novembro de 2011

Os "vaipes" que me dão

Gosto de fins de semana assim produtivos! Fiz as compras de supermercado (sempre um bom programinha, hein?), fui à aula de pilates, comi sushi, "investiguei" lojas de decoração e encontrei o que procurava há meses e meses, vi séries, planeei refeições e deitei mãos à obra na organização dos meus sapatos (que retirei das caixas e coloquei numa estante, numa espécie de closet improvisado - cada um tem o closet que pode!).
Agora, a minha to do list envolve uma ida à IKEA comprar duas portas para a minha estante e despachar a quantidade imensa de caixas de cartão que se acumulou cá em casa (inversamente proporcional ao espaço que tenho disponível para as guardar). Eu até tenho pena de deixar as caixas fora, juro que sim. Já escolhi as melhores, para as enfiar em qualquer cantinho que haja por aí, naquela de "ainda podem dar jeito para guardar qualquer coisa", mas todas vai ser mesmo impossível. Hoje estou naqueles dias em que arrumaria este mundo e o outro (ainda vou mas é criar uma empresa de arrumações ao domicílio!), mas a verdade é que enquanto não tiver o móvel novo e já puder distribuir as coisas à vontade só me resta ficar quietinha. Para a semana, e porque já tenho as prendas compradas e a ocupar espaço útil, vou mas montar a árvore de Natal e pronto, fica já tudo arrumado no sítio certo. Natal é quando um homem quiser, não é verdade?

sexta-feira, 18 de novembro de 2011

Eu vou!

(O Lago dos Cisnes - daqui)

Há imenso tempo que não vou a um bailado e já tenho saudades. Para além disso, adoro Tchaikovsky. Está tudo pronto para uma óptima época natalícia!

O que eu gostava mesmo mesmo

é que os meus vizinhos não estivessem aos gritos a esta hora (ou a qualquer hora, diga-se de passagem, que eles não são moços de ter horário fixo para estas coisas). A discutir? Naaaaaaa, eles são é pessoas muito efusivas a jogar playstation (ou wii, ou x-box, ou o raio c'os parta). Mas ao menos são pessoas pacíficas.

quarta-feira, 16 de novembro de 2011

a caminho do take #2 da vida

Não gosto de não ter um plano. Sou por natureza uma pessoa metódica, que tem to do lists e prazos e metas. Por isso, qualquer compasso de espera e indefinição como o que agora atravesso é um tormento para mim. É certo que arranjo sempre com que me preocupar (é uma óptima skill para arranjar dores de cabeça, se precisarem dicas é só dizer), mas começa a cansar-me. Há dias em que cansa menos, em que é mais fácil manter-me animada e confiante, e depois há dias onde tudo é negro e sem futuro. E nesses dias questiono imensas opções que tomei e desejava corrigir, sinto quase o som de bater no fundo e a esperança a fugir-me das mãos.
Hoje, sinto só a ansiedade. Aquele nervoso miudinho que antecede a entrada em palco numa estreia, a afixação da nota final, ou o primeiro dia...de qualquer coisa. E estou quase a senti-lo, quase a tê-lo na mão, quase, quase a acreditar. Só tenho medo que venha a ser mentira. Como se escrevê-lo desse azar e atraísse o insucesso. Fingers crossed.
Saltei, gritei com a televisão, dei indicações aos jogadores (há uma treinadora de bancada dentro de mim), gritei GOLO! e fiz a festa. Quem diria que o futebol é uma óptima terapia? A mim fez-me mesmo bem para libertar energia.

segunda-feira, 14 de novembro de 2011

Vem ginasticar *

Agora que a nódoa negra que apareceu no meu braço este fim de semana (não sei  bem como) deixou de estar medonha (quase que parecia uma prova de violência doméstica!), decidi finalmente vestir um top e umas calças de desporto e rumar ao ginásio, lugar esse ao qual me tenho baldado nos últimos tempos. Como o rabo e as pernas não ficam tonificados por milagre, tenho que me obrigar a (re)construir este hábito e deixar o sofá. Li algures que se demora 21 dias a criar um novo hábito, pois este é então o dia #1. A ver vamos.


* para os amantes da Rua Sésamo!

domingo, 13 de novembro de 2011

Eu sei que ir ao centro comercial ao domingo à tarde é uma ideia parva, mas como precisava de ir buscar umas coisas, aproveitei. A verdade é que há muito tempo que não via o tal dito centro tão cheio, portanto, e como o Natal se aproxima a passos largos e a tendência deverá ser para piorar, decretei que é o meu último fim de semana numa superfície do género. Se há coisa que odeio é andar a fazer compras com imensa gente à volta, mais as crianças, e os carrinhos, e o pessoal que não só anda a passo de caracol nos corredores como pára onde bem lhe apetece, enfim...pode ser o meu mau humor, mas não tenho paciência. Agora já só volto lá depois da época natalícia (o que é óptimo para a poupança! só vantagens, portanto). Ahhhh, nunca eu tive um Natal tão descansadinho. A única fila que deverei enfrentar é mesmo a do supermercado.

sexta-feira, 11 de novembro de 2011

Ele há coisas...

Não sou muito fã de castanhas (sejam elas como forem), mas ADORO o cheiro a castanhas assadas na rua! Não vos sei explicar, mas cheira a casa.

Coisas que me fazem espécie

Mas onde é que vai tanta gente às 10 horas da manhã para se ver sempre um trânsito descomunal? Será que ninguém começa a trabalhar mais cedo?

quinta-feira, 10 de novembro de 2011

segunda-feira, 7 de novembro de 2011

Surpreendentemente...gosto!


(ambas da Mango)


Para desanuviar o espírito filosófico dos últimos dias, e porque preciso mesmo de pensar em temas mais leves e animadores, aqui estão duas das minhas preferências no mundo dos trapos. Nunca diria que gostaria destas saias, mas a verdade é que gosto mesmo! Não sei se me devo preocupar com isso ou não... Estarei a sucumbir ao espírito fashionista? Hmmmm. Tenho que ir à loja e experimentar. Se calhar ainda acabo por detestar as duas!