sexta-feira, 31 de dezembro de 2010

Venha o novo ano

2010 nunca irá deixar de fazer parte do meu calendário de conquistas pessoais (as mais especiais de sempre), o que, por si só, o torna um ano especial. De 2011 espero que traga tudo o que 2010 deixou à espera de melhores dias, que se concluam os endeavours e se concretizem os sonhos.

E que haja sempre saúde e amor, claro.
Feliz Ano Novo!

Já só me faltam mesmo as passas

Já liguei a sério à passagem de ano e fui acérrima defensora de que Ano Novo sem um pezinho de dança não é Ano Novo. Hoje em dia (quem me ouvir falar há-de pensar que sou, pelo menos, mãe de uma família ao estilo Von Trapp*) não me interesso muito pelo programa para a contagem decrescente e as horas que se seguem. Não sei se é de ter perdido a companhia para dançar, se é por chegar sempre exausta a esta época festiva, mas a verdade é que fico contente com um programa daqueles mesmo básicos que me deixe sobretudo ter a oportunidade de pôr o sono em dia, que é o que me faz mais falta. Estou feita uma velhota de 80 anos, é o que é.

*não perguntem, não tem lógica, simplesmente lembrei-me deste comentário...

quinta-feira, 30 de dezembro de 2010

Pessoas que moram em apartamentos e andam de saltos altos em casa: eu entendo que possa ser muito sexy e coiso e tal, mas os vizinhos de baixo não curtem os "toc toc toc toc" dos saltos. É que a menos que estejam a treinar para o próximo desfile de moda, qual a necessidade de andar a percorrer, durante horas, todas as divisões com os ditos? É mesmo só para o estilo? E porquê sempre a partir das onze e tal da noite? Isto é tudo curiosidade científica que se apodera de mim em noites de insónia, no hard feelings.

terça-feira, 28 de dezembro de 2010

I'm a material girl in a material world...

Pela primeira vez desde que me lembro fui aos saldos com o propósito de ir mesmo aos saldos e não de passar por lá enquanto na verdade ia à procura de outra coisa totalmente diferente.
Primeiro que tudo, senti-me algo enganada quando vi nem todas as lojas estavam com reduções, afinal, vai uma pessoa dedicar-se finalmente à causa dos saldos e é isto? Tsc tsc. No entanto, tenho a dizer que estou muito orgulhosa de mim porque aguentei estoicamente na H&M, essa loja onde nunca encontro nada e onde hoje consegui comprar umas pecitas (yey me!), mesmo que tenha passado séculos na fila para os provadores e outro tanto tempo para pagar. A minha paciência surpreendeu-me, confesso!
Mas que não foi fácil, não foi. Ter 50 mil pessoas por metro quadrado (mas toda a gente está de férias?), as filas para tudo, a enorme quantidade de L's nos modelos que eu gostava de experimentar, ... um sufoco. E, pessoas-com-menos-de-16-anos-que-decidiram-andar-aos-magotes-a-guinchar-como-se-não-houvesse-amanhã, vocês stressaram-me. Fiquei com uma dor de cabeça que me levou a entrar nas drogas e a emborcar (linda palavra) um paracetamol. Uma mulher não é de ferro, certo?
E pronto, foi assim o meu dia. Afinal, o que ninguém me disse é que os saldos cansam. A planta dos pés dói-me horrores e andei quilómetros! Acho que estou oficialmente dispensada do ginásio por uns dias.

domingo, 26 de dezembro de 2010

Mood de Ano Novo

Novo ano. O sentimento de folha em branco, 365 dias inteirinhos à nossa espera para fazermos deles os melhores de sempre, ao género de um "agora é que vai ser". É agora que vamos cumprir todas as promessas e ser mais felizes, como se a mudança de um número na data nos fizesse ter a vontade que vamos perdendo com a passagem do tempo. É a vontade de começar de novo, fazer outra vez, sentir que a vida nos dá mais uma oportunidade de tentar. Mesmo que em Fevereiro metade dos projectos tenham sido abandonados. E se acho que por isso deixa de valer a pena? Não. Termos vontade de recomeçar a cada ano que passa faz-me acreditar num Homem muito melhor.

quinta-feira, 23 de dezembro de 2010

É Natal

Entrei em modo natalício. Só não gosto muito da comida da época, mas aceito qualquer chocolatinho, ora pois claro. Bom Natal a todos os que passam aqui pelo meu modesto estaminé! Toca a aproveitar, que ele só volta daqui a um ano!

terça-feira, 21 de dezembro de 2010

You've got...mail

O melhor do Natal é receber uma carta escrita à mão por amigos que não vemos há muito tempo. Amigos com quem se trocaram pulseiras da amizade e se fizeram promessas, daquelas a sério, como todas as promessas que se fazem na adolescência e nas quais se jura ser amigo para sempre. É ler o texto sem respeitar vírgulas ou pontos finais, porque queremos saber tudo. Agora. Ontem. E a cada linha sentir-lhes o riso a contar as aventuras, lembrar-lhes os trajeitos, quase quase como se lhes conseguíssemos ouvir a voz e sentir-lhes o abraço. E voltar a recuar no tempo e sentirmo-nos a mesma pessoa de há uns anos atrás. Sobretudo, sentir o conforto de, mesmo tendo passado tanto tempo, continuarmos a ser o que fomos. Amigos.

domingo, 19 de dezembro de 2010

Considerações natalícias

Terminei as minhas compras de Natal mas estou farta da confusão que se faz sentir por aí, andar em lojas cheias, ter pessoas a toda a volta, não poder ver as coisas com calma, as crianças a chorar, os pais em stress,...não, isto não é para mim, decididamente. Isso e os programas de Natal, no hospital x, y ou z, o especial Querido mudei a casa (que fazem obras muito giras, é um facto, mas os diálogos soam todos tão falsos que não consigo ver, ligo só no fim para ver como ficou...), e todos os eventos semelhantes onde abunda a hipocrisia e o espírito do "vamos todos ser muito felizes porque é Natal". Não tenho muita paciência, não. Mas adoro o Natal, as decorações, o espírito, e as prendinhas, pois claro, não vou dizer que não! Mas não há nada como o silêncio da nossa casa e as luzes da nossa própria árvore de Natal, é o que vos digo.

sábado, 18 de dezembro de 2010

I have a dream

Ao jeito de Martin Luther King, eu tenho um sonho. Infelizmente, a sua concretização não depende apenas das minhas capacidades e do meu trabalho. No final, esse sonho vai ser ditado pela sorte (a tal que, infelizmente, só tenho a jogar às cartas). E não é desejar mal a ninguém, nem sequer ter inveja, mas não consigo ficar feliz sabendo que há alguém que vai poder ficar mais perto do meu sonho porque simplesmente teve mais sorte. Mesmo que o alguém nº1 não tenha as mesmas capacidades. Ou que o alguém nº 2 nunca tenha feito nada por esse objectivo. Porque eu conheço esses "alguéns". 
Não quero com isto fazer deste post um muro das lamentações, que isto na vida tem de ser "bola para a frente", mas às vezes tenho as minhas divagações. E os meus medos, pois, há que chamar as coisas pelos nomes.
Eu não tenho muita sorte em sorteios, aliás, nenhuma mesmo. A minha sorte termina no poker, embora nunca me tenha me tenha dado para a testar num casino "a sério". Por isso, aceitei o desafio do blog da ChloeMarieAntoinete naquela de ver no que dá, quem sabe não ganho pela primeira vez um passatempo! Vamos lá ver, então. Fingers crossed.

sexta-feira, 17 de dezembro de 2010

Este blog gosta de listas

Entre as poucas horas de sono, o trabalho e esse belo acontecimento que é o jantar de Natal do emprego, nunca estive tão feliz por ser sexta-feira! E como já tenho saudades de ler livros não técnicos, fiz uma lista dos que irão entrar no meu plano de leitura mais imediato (isto, claro, quando acabar os três livros que teimam em se arrastar na mesinha de cabeceira, shame on me -e sim, eu leio vários livros ao mesmo tempo, não sou mulher de um livro só). Achei que postá-la aqui no blog me iria fazer cumprir a promessa e diminuir a pilha que me espera aqui em casa. Vamos lá ver se o pouco tempo que tenho chega para tudo.

Dos clássicos



Dos romances históricos (eu gosto muito deste género de livros, daí a "mistura")

Todos cá em casa à minha espera de serem lidos (mas estes, não ao mesmo tempo ou, pelo menos, não combinados entre si).
E para planos estamos conversados, que isto ainda vai dar em muitas viagens de metro...

segunda-feira, 13 de dezembro de 2010

Dom ou prática?

Eu confesso, admiro aquelas mulheres que conseguem andar, correr, conduzir, dançar,... seja o que for, em cima de uns saltos altos, não importam que tenham 5, 10 ou 12 cm. Assim de repente lembro-me de uma amiga que todo o santo dia se empoleira em cima de uma colecção invejável de sapatos e só em casa, com pantufas, tem a altura que lhe calhou na roleta russa da genética. Eu até ando com um mini salto, mas a partir de uma certa "altitude" começo a ver a vida a andar para trás e a pensar que a distância que me separa do chão não é assim tão segura e que a fractura de uma perna é um risco bastante provável. Talvez seja falta de prática. O que é uma pena, porque há sapatos fantásticos, mas assim que se olha para o salto vejo as dores de costas, de pés, as varizes, e toda uma série de maleitas que me passam diante dos olhos a uma velocidade alucinante. E as quedas, o ver a vida por um fio do alto de uns saltos de 12cm. Acho que só eu tenho estas visões. Por isso, sou fiel às sabrinas, felizmente vai havendo mais modelos de coisas ao nível do chão. Mas que é uma pena esta minha "limitação", isso é.

domingo, 12 de dezembro de 2010

Tivesse eu tempo e ia aprender imensas línguas novas, assim quase como quem colecciona cromos ou postais (cada um com as suas manias!). Tenho umas três em lista de espera, mas não será para breve... Isto de não se morar ao pé do trabalho tem muito que se lhe diga, e chegar a casa com o dia já no fim não me permite concretizar os muitos projectos que vou acumulando. Às vezes, confesso que me desmotiva. E penso se é mesmo isto que eu quero da vida. E tenho medo de descobrir que não...

sábado, 11 de dezembro de 2010

É bem verdade

"Whenever you're called on to make up your mind, and you're hampered by not having any, the best way to solve the dilemma, you'll find, is simply by spinning a penny. No - not so that chance shall decide the affair while you're passively standing there moping; but the moment the penny is up in the air, you suddenly know what you're hoping."

É uma citação de Piet Hein, e hoje lembrei-me dela.

sexta-feira, 10 de dezembro de 2010

Das 9...às 5?

Não gosto de instituições (públicas, *cof cof*) que abrem entre as 9h45 e as 9h47, é verdade, mas também não entendo os funcionários de empresas privadas que fazem questão de prolongar o dia de trabalho até às 20h e só saem quando a luz da empresa se apaga. É verdade que há dias em há objectivos para cumprir, ou com mais trabalho do que o habitual e sim, há profissões e momentos em que isso acontece, mas fazer disso regra? Para quê? Mostrar eficiência? Eu acho que deve haver tempo para tudo. Claro que se passamos o dia no facebook e a mostrar fotos aos colegas é normal que o tempo não chegue, mas não é por saírmos mais tarde que mostramos como somos bons profissionais. É a aproveitar as 8h que são habituais. Ou pode ser uma visão muito errada e redutora da minha parte.

quinta-feira, 9 de dezembro de 2010

Então é assim...

Um aperto de mão e toma lá o diploma, já és crescida. Não, não, não...vocês estão enganados. Eu sou a mesma rapariga de 17 anos que ainda decidia que curso ia escolher, como é que eu já posso ter uma opinião profissional, daquelas mesmo mesmo a sério e que já não envolvem situações a fingir?

terça-feira, 7 de dezembro de 2010

Pode ser cliché, mas hoje é o meu cliché.


"Today's the day my life begins. Today I become a citizen of the world. Today I become a grown up. Today I become accountable to someone other than myself and my parents. Accountable for more than my grades. Today, I become accountable to the world. To the future. To all the possibilities that life has to offer. Starting today, my job is to show up wide eyed and willing and ready. For what, I don't know. For anything. For everything. To take on life. To take on love. To take on the responsability and possibility. Today, my friends, our lives begin. And I for one, can't wait."

(Grey's Anatomy, "What a difference a day makes")

(imagem daqui)

domingo, 5 de dezembro de 2010

Está a chover tanto que já nem é acolhedor, é mesmo só deprimente... Isto deve ser obra do São Pedro que é amigo e mandou esta chuva porque eu estou a trabalhar. Obrigada São Pedro, mas para a semana quero sol, pode ser?

(imagem daqui)

quinta-feira, 2 de dezembro de 2010

Se há coisa que gostava de experimentar

era o ballet! Já me passou pela cabeça inscrever-me numa escola, mas para além de não ter um horário muito compatível já sou um bocadinho "velha" para começar, não? Afinal, a faixa dos 3-4 anos já lá vai há uns anitos. Mas que gostava, gostava.

(imagem daqui)

quarta-feira, 1 de dezembro de 2010

Hoje é dia de adiantar o trabalho que tenho por fazer. Podia haver planos melhores para um feriado, pois podia, mas como diz a sabedoria popular "o que tem de ser, tem muita força" (foi assim que me "venderam" o provérbio, espero que não me tenham enganado!).
Agora vou dedicar-me à nobre causa da eliminação de items na minha To Do list. Adoro To Do lists e a energia revigorante de riscar o que já fiz! Manias.

segunda-feira, 29 de novembro de 2010

O que custa é começar. Dizem.

Eu gostava muito de ser daquelas pessoas que para treinar até são capazes de se levantar às 6h da manhã com entusiasmo e já correram duas meias maratonas antes de ir trabalhar. Eu tenho uma preguiça imensa de sair de casa e de me arrastar para o ginásio, e olhem que é perto e tudo! A verdade é que depois de lá estar começo a entrar no espírito da coisa e dou por mim a gostar e a querer fazer mais isto e aquilo e quando regresso acho muito parvo o tormento que foi sair. É o que me vale!
Agora o meu objectivo é criar um hábito. Já fui 4 vezes a semana passada e hoje vou voltar, chova o que chover! Estamos portanto no bom caminho para a mudança.

sexta-feira, 26 de novembro de 2010

Senti-me um pequeno duende do Pai Natal

Fui hoje escolher o Nenuco que o meu anjinho pediu e dei por mim num verdadeiro mundo de brinquedos, a fazer justiça à música da Leopoldina. Confesso que me diverti a decidir se seria mais giro trazer o Nenuco que faz bolhinhas ou o Nenuco recém-nascido (mas eu sou suspeita pois gostava muito do Nenuco e dos seus acessórios).
Obrigada ao Exército de Salvação Nacional e a todos os que tornam possível esta campanha! Afinal, há gestos tão simples que podem fazer um Natal melhor! Mais informações, aqui.

quarta-feira, 24 de novembro de 2010

Coisas-que-eu-gostava-muito-de-encontrar-por-aí

Um guarda-chuva transparente! (dá imenso jeito para ver onde ponho os pés)

O primeiro é o meu preferido, mas não sei se os 65 dólares do site me convenceram (por favor, é só plástico!). Acho que vou investigar esta questão em lojas não-virtuais, mas não tenho grande esperança em encontrar coisas "fofinhas", veremos.
E pronto, este blog fica aqui com uma mini-wishlist para alegrar este dia de greve geral.

segunda-feira, 22 de novembro de 2010

A crise chegou ao notariado...

tiraram-me 1 cm na altura! Já não bastava o arredondamento feito a olho "ah, tiramos aí uns 3 cm por causa dos saltos e fica bom" (deve ser a altura das minhas sabrinas!). Estou triste, é que eu era muito apegada àquele centímetro...

sábado, 20 de novembro de 2010

Natal é quando uma mulher quiser

E eu quero hoje. Já fiz a árvore! Só não ponho a decoração na porta para não "assustar" os vizinhos.

sexta-feira, 19 de novembro de 2010

Eu vi!

Eu confesso: gostei bastante de ver o Air Force One ali à minha frente. Ok, "ali à minha frente" é como quem diz, mas que foi giro, foi. Eu ligo a estas coisas, pronto, podia-me dar para pior.

quinta-feira, 18 de novembro de 2010

O lado B

“-Falhámos a vida, menino!
-Creio que sim…Mas todo o mundo mais ou menos a falha. Isto é, falha-se sempre na realidade aquela vida que se planeou com a imaginação. Diz-se “vou ser assim, porque a beleza está em ser assim”. E nunca se é assim, é-se invariavelmente assado, como dizia o pobre marquês. Às vezes melhor, mas sempre diferente.” (*)

Se calhar é isso. Diz-se da vida que sempre esta fecha uma porta abre algures uma janela. Eu só quero que essa janela seja algo mais do que um plano B.


(*) Eça de Queiroz, Os Maias.

quarta-feira, 17 de novembro de 2010

Falam, falam, falam...

Admiro as pessoas que conseguem falar sem parar e passam do filho para o gato para a doença da vizinha para a crise para o tempo ai que hoje dão chuva mas está tanto calor tudo isto sem qualquer pausa a que possa corresponder um ponto final ou que mais não seja o tempo necessário para inspirar qualquer coisinha que também dá jeito para não morrer. Não sei como se criam as ligações mentais para encadear tudo isto na mesma frase que se diz a uma pessoa que, na verdade, até já está atrasada para apanhar o metro/autocarro/outro qualquer transporte que não espera por nós e vai dizendo que sim, que pois claro que é chato, mas que na verdade está à espera da pausa que não chega para dizer "sabe, eu tenho mesmo de ir andando senão nunca na vida vou chegar à outra ponta da cidade quando é suposto" e até saí de casa com tempo, mas essa parte não é para dizer. E sim, essa pessoa sou eu. Melhor, melhor, é quando até estou a trabalhar e sou abordada por uma avalanche de palavras e tenho de desviar o olhar do écran do computador para ir mantendo contacto visual com o interlocutor. E começo a ver a minha vidinha a andar para trás e o cursor a piscar furiosamente à espera de palavras, que prazos são prazos e quem me devolve estas horinhas?
Eu até gosto de uma boa converseta, pois que gosto, e não me importo de ouvir as maravilhas dos petizes, que simpatizo bastante com pessoas de palmo e meio, mas sei lá podiam ver o meu ar de pânico quando até planeei a minha vidinha para não ter atrasos e andar sempre com calma, e de repente me vejo sugada para uma conversa, que na verdade é apenas um monólogo, que dura uns bons 30 minutos. É que eu não consigo cortar a palavra, lá me educaram que não se interrompem as pessoas, por isso, uma pausasinha no final de cada ideia, ok? Também se aplica quando o interlocutor não foi apanhado em trânsito mas numa conversa normal, onde até é suposto ouvir a outra pessoa. Era só isto, pronto.

terça-feira, 16 de novembro de 2010

O início

Decidi criar um blog. Tantos anos a ler blogs de outras pessoas que finalmente decidi ter um estaminé só meu para falar do que me vier à cabeça, que é sempre bom e de certeza que faz bem à saúde. Vamos lá ver no que isto dá!Cheers!